Bloq.it quer democratizar a utilização dos cacifos inteligentes

A startup nacional criou uma solução de cacifos inteligentes que evoluiu com a pandemia e está agora focada em ajudar as empresas de logística, retalho e e-commerce a serem mais eficientes e sustentáveis. A Bloq.it quer ainda massificar o uso desta tecnologia em Portugal e um pouco por todo o mundo.
Os fundadores Ricardo Carvalho, João Lopes e Miha Jagodic.

A Bloq.it é uma startup que tem uma solução end-to-end de cacifos inteligentes que começou nas praias, mas cujo modelo de negócio foi evoluindo; neste momento, está a apostar em outras áreas de actuação como o retalho ou o e-commerce.

Tudo começou num «programa de Verão de empreendedorismo», explica João Lopes, COO e co-fundador da startup. Foi em Silicon Valley que conheceu o esloveno Miha Jagodic que, quando ia à praia na Croácia, «deixava a mochila com uma pessoa» cuja função era guardar os pertences dos veraneantes. Foi para dar resposta a este problema que surgiu a ideia de criar cacifos na praia para as pessoas guardarem o que quisessem de forma segura, mas adicionando «um layer de tecnologia» que tornasse a solução «autónoma e fácil de usar».

Em 2019, a Bloq.it, instalou os seus primeiros cacifos inteligentes nas praias de Paço de Arcos e Carcavelos, mas depressa perceberam que não era o negócio que queriam, como explica o responsável: «Para o consumidor final, este modelo era muito difícil de executarmos porque é intensivo, em termos de capital, marketing e de educação do utilizador e tem muita burocracia associada para a colocação do equipamento», sendo, por isso, «pouco escalável». Além disso, pouco depois surgiu a pandemia e o serviço acabou por se tornar «obsoleto», esclarece João Lopes.

Crise que se tornou uma oportunidade
A situação da COVID-19 acabou por propiciar uma mudança na Bloq.it. Como a startup desenvolveu a solução por inteiro, de raiz e criou todo o software de gestão dos cacifos, tinha a tecnologia para avançar para outro modelo de negócio e alterar a sua estratégia, o que se revelou vital para a continuidade da startup. João Lopes esclarece que a empresa deixou de se focar na parte física da solução e tornou-se um dos «principais fornecedores de tecnologia, a nível mundial, de cacifos inteligentes», mudando o tipo de clientes: «Agora são as empresas e não os utilizadores finais».

O empreendedor destaca que, neste momento, têm casos de uso «no retalho, no e-commerce e na logística e na indústria farmacêutica», tudo sem intermediários e de forma contactless: «Um estafeta deixa uma encomenda num cacifo e tem a garantia de que é entregue à pessoa certa; o destinatário tem um código para abrir esse cacifo, que pode estar numa estação de serviço ou centro comercial, farmácia ou supermercado, e pode fazê-lo quando quiser e lhe for mais conveniente».

Além disso, este sistema pode ajudar a ter uma maior «sustentabilidade», já que as empresas de logística, um dos maiores poluentes nas cidades, podem «evitar tantas viagens e fazer várias entregas num único local».

Uma solução para o futuro
A Bloq.it tem diversos clientes nacionais como a Galp, a Glintt, o El Corte Inglés e a Sonae Sierra, mas tem nos mercados externos o seu grande foco, pois é aqui a que a adopção deste tipo de tecnologia é mais intensa. João Lopes salienta que na Polónia e nos países nórdicos a utilização de cacifos inteligentes é «massiva» e avança mesmo que no país de Leste, «87% das pessoas usam este tipo de solução»; já na Suécia e Finlândia «as entregas em casa são agora entre 10 a 20%, quando há dez anos eram na ordem dos 90%». Para já a startup trabalha com empresas «em França, Países Baixos, Suíça, Alemanha, Peru» e está a entrar em «dois mercados africanos»: Egipto e Quénia», revela o co-fundador.

A startup tem neste momento dez pessoas e quer aumentar a equipa para «dezasseis colaboradores até ao final do ano», para lidar com o crescimento que está a ter e expandir-se mais rapidamente. Este ano, as receitas da Bloq.it «aumentaram 200%», com« 80 a 90% da facturação a vir do negócio internacional», realça o COO.

João Lopes está confiante no futuro e destaca que a startup prepara uma nova ronda de financiamento para o início de 2022, cujo objectivo é o de «acelerar o crescimento da equipa de produto, tecnológica e comercial e apostar em marketing». A empresa quer ser o «Android dos cacifos inteligentes» e apesar de conseguirem fornecer o hardware, a ideia e a aposta é tornarem-se apenas numa empresa de software.