iHandUapp. Investigadores portugueses criam tecnologia para monitorizar a doença de Parkinson

O sistema consegue ajudar os doentes em casa ou em hospitais; os dados são enviados em tempo real para os médicos.
©INESC TEC
©INESC TEC

O INESC TEC volta a ser um laboratório de inovação, com mais uma solução tecnológica que pode vir a ser integrada no dia-a-dia de vários utilizadores. Depois de projectos como o Automotive, o dos robots pulverizadores para vinhas ou da EcoPlay, chega a iHandUapp.

Desta vez, o público-alvo são doentes com Parkinson: a tecnologia desenvolvida tem como base uma app para Android e iOS que ajuda os pacientes a «monitorizar os sintomas» (quer em casa, quer em ambiente clínico), permitindo o envio dos dados «para os profissionais de saúde que os acompanham», tudo em «tempo real».

Em paralelo com a app iHandUapp, existe uma plataforma Web, um dashboard, que «agrega os dados e fornece, aos profissionais de saúde, um histórico sobre a evolução clínica dos utentes», explica Duarte Dias um dos investigadores responsáveis pelo projecto, que aponta para o licenciamento da tecnologia à InSignals Neurotech, uma spin-off do INESC TEC, que ajudou a fazer a transição para o mercado.

Outra das valências da app é poder ligar-se a «componentes externos, os chamados appcessories», que permitem «realização de testes para análise dos sintomas motores dos doentes» – um dos exemplos é o iHandU, um «dispositivo vestível com electrónica embebida» que consegue «quantificar a rigidez do pulso».

O iHandUapp foi analisado em «conjunto com os profissionais de saúde» do Centro Hospitalar Universitário de São João» (Porto): «O feedback que recebemos foi muito positivo, o que reforça a usabilidade, simplicidade e adequabilidade da solução», conclui Duarte Dias.