AMD Ryzen 7000 vão funcionar apenas com memórias DDR5

Porém, segundo dados revelados pela Apacer, os futuros processadores da AMD utilizarão memórias mais rápidas que os actuais Intel Alder Lake.

Foi durante o CES 2022, no início do presente ano, que Lisa Su, CEO da AMD, revelou que está previsto o lançamento da nova geração de processadores AMD Ryzen 7000, que utilizam o nome de código Raphael, e que além de estrearem a nova arquitectura Zen4, estreiam o novo encaixe AM5, que utiliza um encaixe do tipo LGA (Land Grid Array), com um total de 1718 contactos.

Esta alteração vai ser fundamental, não só para tornar o fabrico dos processadores mais simples, uma vez que os pins de contacto passam a estar localizados na motherboard, como será essencial para permitir permitir uma comunicação adequada com as novas memórias RAM DDR5, bem como da futura interface PCIe 5.0.

Desde então, a AMD não revelou mais detalhes sobre os novos processadores, mas recentemente a Apacer, um dos maiores fabricantes mundiais de memórias RAM, revelou uma tabela sobre as plataformas (actuais e futuras) que são compatíveis com as suas memórias, e rapidamente ficou a descoberto que os futuros AMD Ryzen 7000 vão utilizar exclusivamente as novas memórias DDR5.

Apacer

 

Porém, mais que essa confirmação, fica igualmente assente que os processadores AMD irão trabalhar com memórias RAM DDR5 com frequências superiores às actualmente suportadas pela norma JEDEC, bem como pelos rivais processadores Intel Core de 12ª geração, habitualmente designados de Alder Lake.

Isto poderá significar que a compatibilidade com memórias DDR5 mais rápidas possa estar associada ao facto de o controlador de memória dos novos Ryzen 7000 estar melhor optimizado, uma vez que este irá trabalhar exclusivamente com memórias DDR5, e não com memórias DDR4 e DDR5, como acontece no controlador de memória dos processadores da Intel Alder Lake.

Resta-nos aguardar por mais novidades sobre a matéria, algo que só deverá ocorrer após o verão.