Revelada a primeira imagem do buraco negro que está no centro da nossa galáxia

Foi hoje publicada a primeira imagem do buraco negro que está no centro da Via Láctea.
Sagr_A
Imagem - Event Horizon Telescope

Esta não é a primeira imagem de um buraco negro, mas esta é uma imagem de um buraco negro mais importante que todos os outros: o que está no centro da galáxia que habitamos, a Via Láctea. Uma equipa de cientistas usou o Event Horizon Telescope para captar uma imagem de Sagitário A* (Sagittarius A*, ou Sgr A*), o gigantesco buraco negro que está no centro da nossa galáxia. A fotografia confirma tanto a sua presença, como dá mais informação acerca do funcionamento destes objectos espaciais.

Tal como no buraco negro que dentro da galáxia Messier 87 (M87; também conhecida como Virgo A ou NGC 4486), Sgr A* consegue alterar a direcção em que a luz viaja, por isso é que as imagens dois dois são parecidas. Mas as semelhanças acabam aqui. O buraco negro Sgr A* é 1000 vezes mais pequeno e também tem uma massa substancialmente mais reduzida. Isto colocou um desafio à visualização dos gases que estão em órbita do objecto, no caso do M87, os gases demoram dias ou semanas a completarem uma órbita, já os gases que orbitam o Sgr A* demoram minutos a completarem uma órbita. E, embora Sgr A* seja quatro milhões de vezes maior que o Sol, o M87 é milhares de milhões de vezes maior. 

A equipa de cientistas usou a rede de radiotelescópios Event Horizon Telescope para conseguir produzir a imagem. Os cientistas desenvolveram novas ferramentas de tratamento de imagem e usaram uma mistura de supercomputadores (para analisar e combinar os dados) e simulações de buracos negros para conseguirem comparar as suas descobertas. Este projecto demorou cinco anos a ser completado, tendo gasto 100 milhões de horas de tempo de processamento em supercomputador na National Science Foundation dos Estados Unidos.

Esta imagem mostra à humanidade o centro da galáxia, que está a cerca de 27000 anos-luz da Terra. A imagem ajuda também no estudo dos buracos negros em geral, porque permite aos astrónomos compararem imagens de dois buracos negros diferentes para refinar os modelos de comportamento destes objectos espaciais. A maior compreensão do comportamento dos gases, também pode moldar o nosso entendimento de como se formam e evoluem as galáxias.

O Event Horizon Telescope vai continuar a expandir-se e conseguiu fazer o seu maior esforço de observação em Março deste ano. Os cientistas esperam conseguir obter mais imagens detalhadas Sgr A* e de outros buracos negros num futuro próximo.