O 5G ainda pode ser uma miragem, mas a LG já fez testes de transmissão de dados em 6G

Nestes testes foi usado o 6G Thz (terahertz) que a marca diz ser de «alcance curto» e ter «perda de potência durante a transmissão».
©LG | 6G
©LG | 6G

Em Portugal, o acesso as tarifários e redes 5G de forma comercial ainda é uma miragem: o leilão da ANACOM vai no 154.º dia e ainda não há decisão sobre a atribuição das faixas de 700 e 900 MHz, 2,1, 2,6 e 3,6 GHz.

Contudo, o 6G já mexe, pelo menos em testes feitos pela LG. A marca coreana anunciou o sucesso de uma transmissão de dados na Alemanha, feita numa distância de cem metros, entre o Fraunhofer Heinrich Hertz Institute e o Berlin Institute of Technology.

Nestes testes foi usado o 6G Thz (terahertz) que a marca diz ser de «alcance curto» e ter «perda de potência durante a transmissão». Aliás, este é um dos desafios identificados pela LG: «A necessidade de amplificação de potência para gerar um sinal estável em frequências de banda ultralarga».

O amplificador de potência usado pela LG é, assim, capaz de «gerar um output de sinal estável de até 15 dBm na faixa de frequência de 155 a 175 GHz». A marca diz ainda que também conseguiu demonstrar a «tecnologia de formação de feixe adaptável que altera a direcção do sinal de acordo com as mudanças no canal e na posição do receptor».

Segundo a LG, a definição dos «standards globais» do 6G está prevista para 2025, com a chegada de redes comerciais em 2029.