A doença de Parkinson tem cheiro? Este “nariz electrónico” desenvolvido em Portugal sabe qual é

Em concreto, o ‘nariz electrónico’ ParkinsonAISmeller é um processo «não intrusivo que utiliza biomarcadores para captar o sebo do paciente».

©Nina Hill
©Nina Hill

Chama-se ParkinsonAISmeller é o vencedor da mais recente edição do Programa de Empreendedorismo da Nova School of Science and Technology. Desta vez, num formato exclusivamente online devido à pandemia de COVID-19, a iniciativa contou com participação de 924 alunos.

Este projecto é um “nariz electrónico”, como lhe chamam os criadores, e, como o nome deixa transparecer, usa inteligência artificial para detectar indícios (precoces) da doença de Parkinson, que afecta cerca de vinte mil portugueses.

A detecção de sintomas de Parkinson através do cheiro é uma possibilidade que está presente em «estudos recentes», lembra a equipa vencedora (que ganhou um prémio de cinco mil euros), composta por Diogo Trinchante, Daniel Miranda, Tânia Matos, André Rosado e Diogo Mota.

Em concreto, o ‘nariz electrónico’ ParkinsonAISmeller é um processo «não intrusivo que utiliza biomarcadores para captar o sebo do paciente», explicam os responsáveis.

Na final da edição de 2021 do Programa de Empreendedorismo da Nova School of Science and Technology participaram doze projectos, com a “prata” a ir para o ReCOVER (um penso higiénico com sensor de PH) e o “bronze” a ser atribuído a ironMEDE (um biossensor de rastreio urinário dos níveis de ferro no organismo humano).