Asus VivoBook 15 AMD

Não é a primeira vez que testamos a renovada gama VivoBook da Asus, tendo sido testado anteriormente o VivoBook S15, uma versão do ultrabook da Asus equipada com a peculiar tecnologia ScreenPad 2.0, uma solução que permite transformar o touchpad num segundo ecrã, que pode ser usado ou como extensão do ecrã principal, ou como ecrã de atalhos das aplicações mais utilizadas. 

Desta vez decidimos testar um modelo diferente da gama VivoBook 15, um modelo mais tradicional com ecrã de 15,6 polegadas, que se destaca por vir equipado com uma plataforma AMD, neste caso composta pela configuração de topo para este modelo, garantindo assim um preço surpreendentemente acessível. 

Ultrabook sem ser Intel

Visualmente idêntico a qualquer outro modelo da gama VivoBook 15, este computador portátil mantém as características típicas de um sistema Ultrabook, mesmo não utilizando uma plataforma Intel. Poderá assim contar com um chassis que consegue ser, não só estreito como leve, sem que isso prejudique o mesmo em termos de versatilidade, ao disponibilizar uma porta USB-C 3.1 Gen1, uma USB 3.1 Gen1 e duas USB 2.0. Dispõe igualmente de um leitor de cartões MicroSD, saída HDMI e uma ficha jack de 3,5 mm.

Para tornar o seu funcionamento ainda melhor, possui uma dobradiça designada de ErgoLift que, quando aberto o monitor, consegue elevar a altura da base do portátil (junto ao ecrã) face à mesa, garantindo assim um ligeiro ângulo que facilita a utilização do teclado, bem como optimiza o fluxo de ar do sistema de arrefecimento do mesmo. Destaque ainda para o agradável teclado, de teclas isoladas com retroiluminação, design côncavo e curso de 1.4 mm, bem como a presença de um teclado numérico. 

AMD Ryzen 7

O que verdadeiramente diferencia este VivoBook 15 dos demais, é o facto de vir equipado com um processador AMD Ryzen 7 3700U. Bem, na realidade este processador é efectivamente uma APU (Accelerated Processing Unit), ou seja, um CPU com controladora gráfica integrada. E, ao contrário do que o nome possa transparecer, não se trata de um processador Ryzen 3000, pois esta APU ainda utiliza a arquitectura Zen+, e um processo de fabrico de 12 nm, como acontece com os processadores Ryzen 2000.

Ainda assim, esta APU conta com um processador de quatro núcleos com oito unidades lógicas de processamento, uma velocidade base de 2,3 GHz que pode atingir os 4,0 GHz, graças à tecnologia Boost, e tem a vantagem de integrar uma controladora gráfica AMD Radeon RX Vega 10, que por sua vez conta com 10 unidades computacionais (640 processadores de stream) a 1400 MHz.

Como deverá imaginar, isto garante um desempenho bastante acima do que qualquer controladora gráfica integrada rival poderá oferecer, podendo mesmo considerar utilizar este VivoBook 15 para correr alguns jogos menos exigentes, como CS:GO, sem precisar de estar a usar as definições no mínimo. Pode ainda contar com 12 GB de memória DDR4 a 2400 MHz, um SSD PCIe de 512GB e um disco rígido SATA de 1TB. 

Multimédia e desempenho

Até agora, este VivoBook 15 surpreendeu pelo excelente desempenho registado, algo que poderá comprovar nos resultados divulgados pelos testes realizados, tendo mesmo a bateria de apenas 37 Wh registado 7 horas e 1 minuto no teste de autonomia do PCMark 10 Modern Office, que tenta assim simular uma utilização quotidiana para este tipo de equipamento.

Esta bateria tem ainda a vantagem de carregar cerca de 60% da carga em apenas 49 minutos, tornando-o ideal para uma utilização em viagem, com pequenos carregamentos sempre que estiver parado (no aeroporto, estação de comboio, etc). Onde este VivoBook 15 não me convenceu foi no tipo de ecrã utilizado, muito embora este tenha, à partida, um visual atraente com as suas minúsculas molduras de 5.7 mm.

O problema está, em si, na imagem reproduzida. A Asus, aquando o seu lançamento, não anunciou tratar-se de um ecrã IPS, mas sim de um ecrã “tipo IPS”, fazendo esta referência devido ao elevado ângulo permitido, que pode ir até 178º. Porém, este ecrã de 15.6 polegadas desilude no que toca à qualidade de imagem reproduzida, algo que pode ser facilmente explicado pelos meros 45% de cobertura do espectro de cores NTSC. O que é  uma pena, num portátil que surpreendeu em quase tudo, pela positiva.


Distribuidor: Asus

Site: asus.com/pt

Preço: €799


Benchmarks

  • PCMark 10: 3829
  • PCMark 10 Productivity: 5822
  • PCMark 10 Battery Modern Office: 421 minutos
  • 3D Mark Cloudgate: 13 522

Ficha Técnica

Processador: AMD Ryzen 7 3700U 2,3 GHz (até 4,0 GHz)
Memória: 12 GB DDR4 2400 MHz
Armazenamento: 512 GB SSD NVMe + 1TB HDD SATA
Placa Gráfica: AMD Radeon RX Vega 10
Ecrã: 15,6” (1920 x 1080)
Ligações: USB-C 3.1 Gen1, USB 3.0, 2x USB 2.0, HDMI, leitor de cartão MicroSD, jack 3,5 mm
Dimensões: 357,2 x 230,4 x 19,9 mm
Peso: 1,7 kg