UE vai disponibilizar 43 mil milhões de euros para criar uma nova indústria de semicondutores

O Regulamento Circuitos Integrados, aprovado pelo Concelho Europeu, tem o objectivo de limitar a dependência da UE da importação de chips.

Chip
Foto alerkiv - Unsplash

Numa altura em que a indústria da tecnologia ainda está a sofrer com a falta de microchips, o Conselho Europeu aprovou novo Regulamento Circuitos Integrados, que vai garantir fundos para os países da UE se libertarem da dependência externa neste campo.

Tal como já aconteceu nos Estados Unidos, a Europa pode ter em breve o seu próprio ‘Chips Act’. O Concelho Europeu, um dos dois corpos com poderes legislativos na União Europeia, adoptou uma posição comum para propor a nova regulamentação com o objectivo de melhorar a competitividade da UE no campo das tecnologias de semicondutores.

Enquanto os EUA adoptaram o ‘Chips Act’ que serve para aumentar a pesquisa e fabrico de semicondutores no país, o Regulamento Circuitos Integrados europeu, vai funcionar como fonte de financiamento para a construção de uma nova indústria num dos campos mais importantes da actualidade.

De acordo com o comunicado de imprensa do Concelho Europeu: “Os circuitos integrados são essenciais para uma vasta gama de produtos tecnológicos e digitais, como os automóveis, os electrodomésticos e os aparelhos electrónicos. Devido a questões geoestratégicas e a perturbações nas cadeias de abastecimento, a indústria europeia está actualmente a enfrentar desafios no que toca ao aprovisionamento de semicondutores.”

O Regulamento Circuitos Integrados, vai disponibilizar um total de 43 mil milhões de euros de investimento público e privado, que serão gastos em três pilares estratégicos:

A Iniciativa para os Circuitos Integrados Europeus, que apoia a criação de capacidade tecnológica e as actividades de investigação e inovação conexas

Um novo quadro para garantir a segurança do aprovisionamento e a resiliência atraindo mais investimentos

Um mecanismo para monitorizar a cadeia de abastecimento de semicondutores e coordenar as acções em situações de crise.

Cerca de 3,3 mil milhões de euros vão ser reservados à iniciativa Circuitos Integrados Europeus. Simultaneamente com o Regulamento Circuitos Integrados, o Concelho Europeu também propôs a criação de um novo instrumento legal, Consórcio para uma Infraestrutura Europeia de Circuitos Integrados (ECIC), uma entidade jurídica habilitada a executar acções e outras tarefas financiadas no âmbito da Iniciativa para os Circuitos Integrados Europeus.

Espera-se que a procura de circuitos integrados duplique entre 2022 e 2030, com o aumento da produção de smartphones, computadores pessoais, servidores, data centers, indústria automóvel, electrónica de consumo, entre outras coisas. A União Europeia detém 10% de quota de mercado na indústria global de semicondutores, com o Regulamento Circuitos Integrados, o bloco europeu espera duplicar o valor até 2030.