Já Imaginou Pedir um Crédito num Mundo Virtual? Pode Estar Mais Perto do que Julga

VR

Metaverso, Web3, Criptomoedas e Blockchain são termos que parecem saídos de um filme de ficção científica, mas fazem já parte da realidade de muitas empresas. Saiba como.

A internet como hoje a conhecemos existe há mais de 25 anos e já passou por várias fases de digitalização: assistimos ao nascimento da Google, das primeiras plataformas de streaming de vídeos como o Youtube e até, ao surgimento das Redes Sociais.

Todas estas formas de interação sofreram alterações desde a sua criação, muito potenciadas pelo surgimento dos smartphones e da IOT (Internet of Things). Com todas as evoluções tecnológicas a que temos assistido nas últimas duas décadas não é de estranhar que também o sector da banca se tenha revolucionado.

As criptomoedas, especialmente a Bitcoin, vieram abanar o status quo à volta de como o capital é percepcionado pois representam a primeira forma de moeda totalmente descentralizada e não soberana (no sentido em que não pertence a nenhum mercado geográfico), nascida da internet.

Todas as transações deste ativo virtual são guardadas numa estrutura de dados pública que apenas permite a introdução e nunca a remoção de registo de transações. Esta estrutura é auditável dando por isso segurança a muitos comerciantes que já permitem que pagamentos de bens e serviços sejam realizados através desta moeda.

Atualmente, são já muitos os bancos centrais a trabalhar no desenvolvimento de moedas digitais, no entanto, essa não é a única revolução a acontecer no ambiente da banca.

Banca no Metaverso

Comecemos por explicar o que é isto do Metaverso. Existem várias definições que tentam explicar o que é o Metaverso, mas todas acabam apontando para o mesmo: este é um espaço virtual onde o mundo físico se interliga com o mundo digital. É uma forma de ambiente virtual que simula o mundo real, na medida em que é possível interagir com pessoas e marcas e cada indivíduo é representado por um avatar.

É possível aceder a este “novo mundo” através de dispositivos diferentes, sendo os mais comuns os óculos de realidade virtual (VR), fazendo com que os usuários tenham uma experiência imersiva na plataforma e percam a noção de onde começa o mundo físico e acaba o mundo digital.

O Metaverso é por isso considerado como a nova internet ao ser a nova grande inovação digital, capaz de revolucionar totalmente a forma como nos relacionamos, como comunicamos e como interagimos com marcas, produtos e serviços.

Sabendo isto, existem já várias empresas a disponibilizar as suas lojas em formato virtual. Isto significa que já é possível entrar neste espaço, utilizar o avatar para se dirigir a uma loja, comprar um produto em versão digital ou, encomendar um produto “real” que será posteriormente entregue na sua morada física.

E a banca não é excepção. São várias as instituições bancárias que já começaram a abrir balcões virtuais aos quais os seus clientes se poderão dirigir para uma experiência de atendimento totalmente acompanhada virtualmente.

Muitas destas instituições disponibilizam óculos de realidade virtual e aumentada nas suas instalações físicas de forma a permitir um acesso democratizado a esta tecnologia o que, em última análise, também irá acelerar a adopção deste novo formato de negócio.

Desta forma, não é apenas a internet que sofre uma revolução, mas também a economia digital que até aqui tinha visto como última grande inovação as aplicações móveis.

E perante tudo isto, já imaginou como seria poder recorrer a um pedido de crédito num mundo que não o nosso de carne e osso?

Da mesma forma que já vemos lojas de roupa e balcões de bancos, não é difícil imaginar que em breve veremos também neste espaço virtual especialistas de crédito capazes de oferecer um serviço de excelência, sem que para isso seja necessário que o cliente e o intermediário de crédito estejam no mesmo espaço físico.

Imagine o seguinte cenário:

Quer fazer obras em casa, mas não tem capital suficiente de momento. Como tal, começa a investigar possíveis soluções e percebe que pedir um crédito ao consumo pode ser a melhor opção para avançar com o seu projecto.

Após alguma análise às várias ofertas presentes no mercado no sector dos créditos pessoais, encontra um que lhe agrada em termos de condições propostas, no entanto, surgem-lhe algumas questões que gostaria de esclarecer com a entidade credora.

Se o escritório ou balcão da mesma for longe da sua residência, com certeza pensará duas vezes sobre se não será mais fácil enviar um e-mail.

No entanto, se souber que há a possibilidade de ser atendido e acompanhado tal e qual como seria no balcão físico, apenas com uma pequena diferença – o atendimento é feito no Metaverso – não preferia enveredar por esta opção?