YouTuber cria um ‘aimbot’ por hardware

Cada vez mais as editoras de jogos implementam soluções para impedir, ou dificultar, a utilização de 'aimbots', programas que permitem fazer batota em jogos. Mas agora, alguém criou um aimbot que usa um rato em vez de software.

Não há nada pior que jogar contra quem usa um ‘aimbot’, um programa de batota para videojogos, que faz com que cada vez que o utilizador dispare acerte sempre no alvo. Esta uma das coisas mais frustrantes dos jogos multiplayer online, por isso praticamente todas as editoras de jogos estão a implementar soluções para evitar ou limitar a sua utilização, desde as que expulsam os utilizadores deste tipo de software, até ás que os tornam cegos e surdos para o que se passa na arena de jogo. Estes sistemas funcionam maioritariamente através da detecção do software dos ‘aimbots’ e também através da análise do comportamento dos utilizadores durante o jogo. Mas, e se fosse possível construir um ‘aimbot’ totalmente que dispensasse o software?

O YouTuber Kamal Carter, quis experimentar criar um ‘aimbot’ por hardware. O robô construído por ele usa um rato normalíssimo, montado numa peça rectangular que tem quatro rodas em cada lado, que permite que o rato se mova em cima da mesa com a precisão necessária para conseguir disparar e acertar nos inimigos que vão aparecendo no ecrã. Para saber para onde deve disparar, o robô lê capturas de ecrã do jogo, analisa as cores para detectar o inimigo que está mais perto e depois clica no botão esquerdo do rato para disparar.

O projecto demorou dois meses a construir e a afinar o software. Se pensa que este é o futuro dos ‘aimbots’, e que em breve vai ter de defrontar um batoteiro que o consegue eliminar sempre, mesmo que esteja com uma chávena de café na mão, isso será pouco provável. O robô construído por Kamal só funciona com o software de treino Aimlab e também porque o sistema de análise da imagem é lento demais para ser eficaz durante sessões de jogos, em que o tempo de reacção tem de ser rapidíssimo. Outra curiosidade, é o facto de embora o robô seja capaz de bater os scores de Kamal (e da grande maioria de nós, mortais) no Aimlab, não se porta assim tão bem quando compete contra jogadores profissionais. E mesmo que todos os desafios técnicos fossem ultrapassados, os sistemas anti-batota dos jogos conseguiam perceber que o jogo estava a ser jogado por um robô por causa das funcionalidades de análise comportamental durante o jogo.