Fontes de alimentação

As fontes de alimentação são um componente muitas vezes negligenciado, mas que desempenham um papel fundamental no funcionamento do computador.

Tal como o nome indica, a fonte de alimentação “alimenta” (neste caso com energia) todos os componentes e periféricos de um computador. Para tal, a fonte necessita da entrada de corrente, uma ligação doméstica de 220 V, realizando posteriormente o trabalho de transformação e rectificação da corrente em várias linhas, habitualmente designadas de 12 , 5 e 3,3 V – cada uma destas linhas tem destinos específicos e diferentes.

A linha de 12 V é a mais importante, já que é a responsável pela alimentação da motherboard e dos dispositivos que aí estão ligados (processador, memórias); e das placas gráficas, que são alimentadas não só pela própria motherboard, como directamente pela fonte de alimentação através dos encaixes PCIe de seis ou oito contactos. Já as linhas de 5 e 3,3 V destinam-se a discos rígidos e SSD, por exemplo.

Ligações e cabos
Para melhor distinguir as linhas e o tipo de dispositivos que irão alimentar, são utilizadas fichas com formatos distintos. A principal é ATX de 24 contactos, que fornece praticamente toda a energia para alimentar a motherboard e os dispositivos que aí estão ligados. Existe ainda uma ligação adicional, a EPS (com quatro ou oito contactos), que tem como função reforçar a alimentação de 12 V da motherboard ao processador, podendo mesmo ser necessária a utilização de duas fichas EPS de oito contactos, caso o processador seja muito complexo e exigente, como um AMD Threadripper.

As placas gráficas usam ligações PCIe de 12 V (seis ou oito contactos), sendo as restantes utilizadas para as unidades de armazenamento, como as ligações Molex de 12 e 5 V para discos rígidos, e as ligações SATA de 12, 5 e 3,3 V para alimentar discos rígidos e unidades SSD SATA.

Como deve estar a imaginar, tudo isto resulta numa autêntica “salganhada” de cabos, pelo que as fontes de alimentação mais evoluídas tendem a usar uma solução modular ou semi-modular, que permite que só sejam instalados os cabos que serão necessários para alimentar todos os componentes no seu PC.

Eficiência energética
Além de ser fundamental que a fonte tenha todas as ligações necessárias para o seu PC, deverá ter a certeza de que está preparada para lidar com a exigência energética do mesmo, ou seja, se tem potência suficiente todos os componentes – é por esta razão que existem fontes de 300 a 2000 W, ou mais. Mas não basta escolher uma fonte de alimentação potente: deve ter uma boa eficiência energética, ou seja, que na transformação da corrente não exista muito desperdício, sendo este um excelente sinal para diferenciar a sua qualidade de construção. Para facilitar a identificação da eficiência energética das fontes de alimentação, utiliza-se a nomenclatura da certificação 80 Plus, onde são atribuídos os selos de 80 Plus Gold, Platinum e Titanium a fontes que garantam 90, 92 e 94% de eficiência, respectivamente.

Exit mobile version