Como tornar um Raspberry Pi 4 num NAS

Que tal iniciar o ano 2021 com o objectivo de ter maior controlo sobre os nossos ficheiros? Uma opção é guardar a informação na sua casa e recorrer a um NAS.

Marcas como Synology, Qnap e Asustor são conhecidas por oferecer soluções chave-na-mão para quem procura um NAS (Network Attached Storage) pronto a ser usado e com preços bastante competitivos. Para quem procura alguma aventura, uma solução mais barata e ter controlo sobre os dados pessoais, vamos partilhar uma sugestão: Raspberry Pi 4, OpenMediaVault, Nextcloud, Cockpit e Syncthing.

Raspberry Pi 4 e OpenMediaVault
É fundamental ter uma base em qualquer projecto e, neste caso, o Raspberry Pi não precisa de apresentação: já foram escritos vários artigos sobre ele e sobre o seu potencial. Contudo, a mais recente versão (lançada em 2020, com um preço de 85 euros) tem 8 GB de RAM, o que faz dele um pequeno “monstro”, bastante competitivo, com uma quantidade enorme de projectos que se podem fazer.
O melhor é focar apenas num: a nossa sugestão é usar todo o potencial do Raspberry Pi 4 para criar um NAS, porque nada é melhor, nem mais seguro, que guardar os nossos dados dentro de casa. A melhor aposta é instalar o OpenMediaVault, um software open source, com base Debian e que está em constante desenvolvimento. Esta solução tem uma interface Web muito amigável e tem vários serviços, como. (S)FTP, Rsync, NFS, SMB/CIFS, SSH, entre outras características.

Nextcloud e Cockpit
Quem tem acompanhado esta secção da PCGuia, já conhece o Nextcloud e sabe o seu potencial. A instalação do Nextcloud no Raspberry Pi será feita através de docker containers, ou seja, é uma plataforma open source que permite correr aplicações isoladas, mas ao mesmo tempo tira partido de bibliotecas do Kernel Linux. Isto vai garantir, não só a estabilidade necessária do OpenMediaVault, como ao mesmo tempo separar a informação privada que está no disco ligado por USB, da informação pública que será exposta no Nextcloud.
Uma forma simples de gerir os containers é usar uma interface administrativa Web chamada ‘Cockpit’, que permite rapidamente reiniciar, parar ou mesmo eliminar algum container, bem como analisar o tráfego existente na rede, entre outros aspetos.

Syncthing
Hoje, os serviços na nuvem permitem sincronizar e guardar os dados do nosso smartphone, transmitindo confiança em caso de perda, quebra ou roubo. Esta ferramenta open source servirá para sincronizar, em especial, os dados dos smartphones para o Raspberry Pi, bem como sincronizar todos os dados entre os vários discos de backup.

Conclusão
Começar com um novo projecto, logo em Janeiro de 2021, será desafiante e motivador, pelo menos para mim. Ter a possibilidade de controlar os meus dados, dentro e fora de casa, sem depender de serviços na nuvem, é tranquilizador. Nas próximas edições será partilhado o passo a passo.

Exit mobile version