Desvendando 7 mitos relativos ao uso de VPN para gaming

VPN

A importância de uma VPN ou Virtual Private Network (Rede Privada Virtual) tem-se tornado notada entre os adeptos de videojogos, os gamers. Já todos os jovens jogadores sabem bem o que é uma VPN (melhor que alguns empresários, com mais responsabilidades mas menos cultura “tech”) e muitos pensam que esta ferramenta pode ajudá-los de alguma forma. É certo que a VPN ajuda a manter a privacidade e aumentar a segurança de qualquer utilizador de internet contra hackers. Mas será realmente indispensável para o gaming? Vejamos em seguida 7 mitos relativos ao uso de VPN para jogar videojogos através da internet.

Ajuda a melhor o ping e a velocidade de conexão?

O mito diz que a utilização de uma VPN poderá reduzir a latência (“ping”), isto é, a velocidade com que as ações do jogador são transmitidas ao servidor que controla o jogo. A estabilidade da conexão de internet e o respetivo ping são os meios de “trabalho” básicos para qualquer gamer; sem uma conexão estável e forte, o jogo online torna-se impossível.

Caso existam atrasos na transmissão das ações ao servidor, a qualidade do jogo está comprometida. Em Counter Strike: Global Offensive, o tiro disparado em casa não sairá da arma virtual no servidor em tempo devido; entretanto, o adversário já terá saído do alcance da mira da arma. Em F1 2020, uma travagem acionada em casa (pressionando o travão acoplado ao volante de gaming) chegará tarde demais ao servidor, e o carro sairá de pista. No “gaming”, milissegundos podem fazer a diferença.

Uma VPN pode reduzir o ping, mas também pode acontecer o contrário e o ping ser aumentado. Tudo depende das rotas que o computador tiver de fazer para chegar ao servidor do jogo. Pode acontecer que a VPN crie um caminho mais rápido e estável.

Contornar bloqueios a conexões peer-to-peer?

Alguns jogos, como Playerunknown’s Battlegrounds (PUBG), recorrem a ligações peer-to-peer que poderiam ser bloqueadas por determinados fornecedores de serviços de internet (ISP). Contudo, estas situações são extremamente raras. Dificilmente alguém deixará de jogar PUBG por este motivo.

Jogar com adversários como se fosse uma LAN?

Partilhar uma VPN com adversários poderia criar condições de velocidade e estabilidade semelhantes à de uma rede LAN (Local Area Network, ou Rede de Área Local). Contudo, tal está dependente das opções do próprio serviço de VPN, bem como das funcionalidades contratadas.

Impedir Ataques DDOS contra o gamer?

Uma VPN é certamente uma boa ferramenta para conferir proteção contra um ataque DDOS. Muitas empresas subscrevem este serviço, também por este motivo. Um ataque de negação de serviço (“distributed denial-of-service”) visa “entupir” um determinado site ao enviar um número de visitas súbito, inesperado e muito acima do que os servidores desse site podem permitir. As visitas são, naturalmente, falsas e limitam-se a reproduzir o efeito de visitantes verdadeiros, consistindo em pedidos de contacto feitos ao servidor do site.

Não é frequente que os gamers sejam alvo de ataques deste género; só mesmo os profissionais, que de qualquer forma precisam de ter outras preocupações em termos de segurança digital.

Aceder a jogos geobloqueados

Será necessário usar uma VPN para aceder a jogos que estejam restritos para determinados países? É possível, mas esses casos são bastante raros. Normalmente, as restrições de jogos afetam países com situações políticas sensíveis ou específicas, como é o caso do Irão. Os gamers do país dos aiatolas veem-se frequentemente impedidos de aceder a jogos desenvolvidos por empresas norte-americanas, seja porque o governo os impede, seja porque a empresa os impede (obedecendo a sanções económicas impostas, por lei, pelo governo dos Estados Unidos). Não é o caso de Portugal.

Aceder a jogos em determinadas condições?

Circula ainda a ideia de que uma VPN pode ser utilizada para aceder a jogos ainda não disponíveis em determinado país, mas que venham a estar em breve. Também neste caso, ainda que possa ser possível, a ideia não é aconselhável. Imagine-se um utilizador que use uma VPN para indicar, por exemplo, ao Steam que se encontra em determinado país. Ele poderá ter dificuldades em justificar uma mudança súbita de país e de fuso horário caso aceda à sua conta, mais tarde, sem VPN. Isso pode até resultar num bloqueio ou outra penalização por parte do Steam.

Ajuda a melhorar as performances de jogo?

Este mito é um sucedâneo da questão apresentada acima, em primeiro lugar. Aumentando a latência e o ping, uma rede privada virtual permitiria ao jogador conseguir melhores resultados. Tal depende, como vimos, das circunstâncias.

Em suma, uma VPN é útil mas não é indispensável a um gamer que queira atingir bons resultados. O gamer tirará mais partido dela na sua qualidade de utilizador da internet, em geral, protegendo-se contra cibercriminosos e mantendo as suas comunicações (e-mail, etc.) encriptadas contra terceiros não autorizados.