ComponentesReviews

Review – KFA2 GeForce RTX 2070 Super EX Gamer Black

Mais do que uma simples review de uma placa gráfica da KFA2, fomos descobrir o que a tecnologia de Ray-Tracing e DLSS 2.0 têm para oferecer.

Classificação

Medições9.5
Experiência de utilização9.5
Preço8

Gostámos

  • Desempenho
  • Preparada para o futuro (Ray-Tracing)
  • Funcionamento silencioso

A rever

  • Preço

Ponto final

9Se em termos de desempenho esta KFA2 GeForce RTX 2070 Super EX Gamer Black convence, só quando utilizadas as tecnologias de Ray-Tracing e DLSS 2.0 é que nos apercebemos que esta placa gráfica pode ser, verdadeiramente, um investimento para o futuro.

A KFA2 é, para muitos dos nossos leitores, uma desconhecida, mas essa situação deve-se exclusivamente ao facto de a mesma só agora ter entrado no mercado nacional. Na realidade, a história da KFA2 provém de um grupo industrial de Taiwan, o Grupo Palit Microsystems, proprietário de diversas marcas internacionais, como a Palit, a Gainward (adquirida em 2005), XpertVision, Galaxy (conhecida em alguns mercados como GALAX) e KFA2, entre outras.

Relativamente à KFA2, esta é, tecnicamente, a mesma coisa que a GALAX, embora, talvez por questões burocráticas, tenha sido criada especificamente para o mercado europeu, algo que poderá comprovar nas páginas de ambos os fabricantes, na secção de “Where to Buy”. Observando também pela linha de produtos, rapidamente encontrará que os mesmos são idênticos, tanto as séries, como as caixas, a designação e os próprios componentes, alterando apenas os autocolantes com a marca.

E isso retira-lhes mérito? Não, nenhum, até porque estamos a falar num fabricante que produz placas gráficas de topo há mais de 10 anos, tendo alguns dos seus produtos já superado recordes de overclock na histórica tabela “Hall of Fame” da popular ferramenta de benchmark 3DMark. E qual a razão para lhe darmos esta breve ligação de história? Simples, a KFA2 acaba de chegar ao mercado nacional, e com produtos que prometem oferecer a melhor relação preço/qualidade do momento, como acontece com esta KFA GeForce RTX 2070 Super EX Gamer Black.

GeForce RTX 2070 Super

Embora não seja um modelo propriamente novo, a realidade é que esta GeForce RTX 2070 Super poderá ser uma excelente escolha para quem pretenda tirar partido das tecnologias estreadas com a arquitectura Turing, como Ray-Tracing e DLSS 2.0, visto que alguns dos primeiros motores gráficos a tirarem partido da implementação destas tecnologias têm revelado alguns problemas de falta de optimização, como aconteceu com Battlefield V e Shadow of the Tomb Raider, que exigiam a utilização de modelos de topo, como a RTX 2080.

Foi a pensar nessas situações que a Nvidia acabou por lançar a série Super, garantindo assim um maior poder de processamento para que a activação do Ray-Tracing não fosse tão pesada para a GPU. Felizmente a GPU utilizada nesta RTX 2070 Super é a mesma das RTX 2080, ou seja, o TU104 de 13.6 mil milhões de transístores, embora com uma revisão diferente, por usar 2560 núcleos de processamento, sendo estes divididos por 40 núcleos RT, específicos para Ray-Tracing, e 288 núcleos Tensor, que farão todos os cálculos de inteligência artificial e deep learning.

EX Gamer Black

Por se tratar de uma edição especial, designada de EX Gamer Black, esta RTX 2070 Super utiliza um dissipador de calor proprietário, com heatpipes mais longos, maior área de dissipação, três ventoinhas de 90 mm de funcionamento silencioso e um discreto efeito de iluminação RGB, visível apenas na parte lateral do dissipador, quando a placa gráfica está instalada no interior do seu computador.

Graças a este dissipador, a KFA2 pôde ajustar as velocidades de funcionamento do GPU desta RTX 2070 Super para que a frequência Boost subisse dos 1770 MHz de referência para 1815 MHz, velocidade essa que poderá ser elevada para os 1830 MHz, através da função 1-Clock OC Clock, disponível na aplicação de optimização da KFA2 Xtreme Tuner.

Falta registar a presença de três ligações DisplayPort 1.4, uma ligação HDMI 2.0b e que, graças ao circuito de alimentação de 7+2 fases, é exigida a utilização de uma boa fonte de alimentação de, pelo menos, 650 W, sendo recomendável utilizar ligações directas da fonte para as duas ligações de alimentação PCI-Express, uma de 6 pins e outra de 8 pins, em vez dos dois adaptadores fornecidos pela KFA2.

Desempenho

Em termos de desempenho, esta RTX 2070 Super revelou um excelente desempenho, chegando mesmo a registar os melhores resultados de sempre na nossa bancada de testes, utilizamos a actual lista de aplicações para medição de desempenho de componentes. Essa situação ocorreu no teste do 3DMark TimeSpy e do FarCry 5, tendo ficado apenas atrás da AMD Radeon RX 5700 XT no teste do 3DMark Fire Strike, e no Shadow of Tomb Raider, embora por uma diferença mínima.

Se tivermos apenas em conta estes resultados, o modelo da AMD poderá ser a solução mais atraente, por disponibilizar todo este desempenho por um preço significativamente inferior ao de esta RTX 2070 Super, embora exista um detalhe importante, só este modelo da Nvidia tira partido da tecnologia de Ray-Tracing, já disponível em títulos actuais, mas que acabará por ser aplicado em todos os futuros jogos.

Ray-Tracing

Já lhe tinhamos demonstrado o que a tecnologia de Ray-Tracing pode fazer por um título como Minecraft, com melhorias significativas em termos de iluminação, não só directa como na reflectida em superfícies, bem como o que a tecnologia DLSS 2.0 pode fazer, nesse mesmo jogo, ao permitir reduzir o impacto da aplicação da tecnologia de Ray-Tracing, de forma a manter um frame rate aceitável para uma boa experiência de jogo. 

Mas Minecraft não é o melhor exemplo em termos gráficos, sobre as reais melhorias implementadas por estas tecnologias, sendo fundamental utilizar-se títulos mais exigentes para nos deliciarmos com os resultados. Títulos como Call Of Duty: Warzone revelou um grafismo mais realista em cenários mais escuros, com uma melhor iluminação dos objectos presentes, tal como aconteceu em Shadow of the Tomb Raider, desde que este recebeu a actualização de 19 de Março de 2019.

Neste ultimo caso em particular, embora a Nvidia recomende, para uma GeForce RTX 2070, configurações como usar resolução 1920×1080 com definição em Highest, DLSS ligado e Ray-Tracing em High, com esta RTX 2070 Super conseguimos usar, sem perda de desempenho, a definição de Ray-Tracing em Ultra, o que permite usar mais que um foco de luz por píxel, por cada fonte de luz, ao contrário das definições Medium e High. Ou seja, esta RTX 2070 Super já lhe permite vislumbrar o que esperarmos dos jogos do futuro, por um valor bastante abaixo daquele que foi o preço de lançamento da RTX 2070 original.


Benchmarks

3D Mark Fire Strike: 21045

3D Mark TimeSpy: 9561

FarCry 5 1080p Ultra: 126 fps

Shadow of Tomb Raider 1080p Highest DX12: 111 fps


Distribuidor: KFA2

Site: kfa2.com

Preço: €549


Ficha Técnica

GPU: TU104
Núcleos Stream: 2560
Velocidade de relógio: 1605 MHz (1815 MHz Boost)
Interface: PCI Express 3.0
Memória: 8 GB GDDR6
Velocidade da memória: 14.000 MHz
Interface de memória: 256-bit
Entradas: HDMI 2.0b, 3x DisplayPort 1.4

PCGuia
Este site utiliza cookies. Ao continuar a utilizá-lo estará a aceitar a nossa política de privacidade e os nossos Termos de utilização. Mais informação acerca da forma como utilizamos cookies está disponível aqui.
×