AnálisesJogos

Gears 5

Treze anos depois, a série Gears of War perdeu o 'War' mas mantém tudo aquilo que o tornou grande.

Classificação

Gráficos9
Som9
Jogabilidade7
Longevidade9

Gostámos

  • Gráficos
  • Mecânica de jogo

A rever

  • Bugs a mais

Ponto final

8.5Gears of War tem envelhecido bem. Gears 4 foi um tempo de renovação da história e Gears 5 é a consolidação dessa renovação. Há personagens novas, mais armas, gráficos fora de série, mas também bugs que não deviam existir.

Sigo Gears of War desde o original, lançado em 2006 para Xbox 360. Quando saiu, era um jogo revolucionário porque era um shooter na terceira pessoa e inaugurou a mecânica do cover atrás de obstáculos do cenário.

Passados treze anos, eis que chega Gears 5, que tecnicamente é o sexto episódio, se contarmos com Gears of War: Judgment, lançado em 2013. Este traz muitos refinamentos gráficos, a mesma mecânica (com algumas alterações) e um sistema de progressão que apenas se aplica ao robô que nos acompanha ao longo da campanha.

O herói dos primeiros três episódios, Marcus Fenix, passou o testemunho ao filho JD Fenix em Gears 4; Gears 5 continua a ser uma aventura de JD, mas não só, porque durante a campanha vai poder jogar também com a personagem Kait, que se juntou à história em Gears 4, na sua viagem para descobrir de onde vêm os inimigos da humanidade.

História simples
Mas qual é a história de Gears of War? Essencialmente, os humanos que vivem num planeta chamado Sera estão sob ataque de uma raça de seres chamada Locust, cujo único objectivo obliterá-los completamente. Para os impedir, existe uma força de elite chamada Gears que é composta pelos melhores soldados de Sera, ajudados por robôs. O seu maior herói de sempre é Marcus Fenix.

Gears 5 é um jogo misto, que a certa altura se desvia da mecânica do outros episódios porque, se os dois primeiros actos da campanha são completamente lineares, com os jogadores a irem do ponto “a” ao ponto “b” do cenário, sem qualquer hipótese de se desviarem do caminho (tal como nos primeiros episódios), os terceiro e quarto actos já permitem a exploração do mapa, com missões secundárias e decisões que podem definir o que acontece no fim, o que é completamente novo em Gears of War.

Neste novo jogo da série, as armas são essencialmente as mesmas com algumas novidades, como é caso da espingarda ‘Lancer’ (que existe desde o primeiro episódio) que em vez da tradicional baioneta/moto-serra tem um lança rockets.

Novas armas
A mecânica de combate mudou pouco desde o primeiro Gears de 2006: avançar, esconder, disparar, limpar uma área e passar à próxima. Mas há algumas nuances novas, como a capacidade de eliminar inimigos silenciosamente ou saltando um obstáculo. Continua divertido como sempre foi.

Graficamente, Gears 5 está cheio de eye candy: os gráficos 4K, as cores, o emprego de HDR, a luz e a captura de movimentos estão todos cuidadosamente feitos para transmitir ao jogador uma impressão que está no meio de um filme. Já o resto devia ter sido mais polido. Simplesmente há bugs que deviam ter sido mortos antes do jogo sair (e não me refiro aos Locust). Por exemplo, aconteceu-me várias vezes estar prestes a morrer, e ter um dos meus companheiros ao pé de mim, que não me conseguia ver para me dar energia; ou quando morri mesmo no final de um checkpoint e o jogo não soube o que fazer comigo: se voltar ao início ou passar para a parte seguinte da história, isto só para falar das falhas mais evidentes.


Editora: Microsoft

Distribuidora: Microsoft

Site: xbox.com

Preço: €79,99

Disponível para: Xbox One, PC Windows


PCGuia
Este site utiliza cookies. Ao continuar a utilizá-lo estará a aceitar a nossa política de privacidade e os nossos Termos de utilização. Mais informação acerca da forma como utilizamos cookies está disponível aqui.
×