Notícias

Kaspersky: Apenas uma em dez pessoas sabe como é que as criptomoedas funcionam

Muitos dos consumidores ainda conhecem pouco acerca do funcionamento das criptomoedas.

O estudo “Uncharted territory: why consumers are still wary about adopting cryptocurrency”, realizado pela Kaspersky, revelou que a falta de conhecimento e confiança são os principais factores que impedem os consumidores de utilizar as criptomoedas.

Muitos dos consumidores ainda conhecem pouco acerca do funcionamento das criptomoedas e é este desconhecimento que faz com que elas não sejam adoptadas pelo público. Desta forma, quatro em cinco pessoas (81%) revelaram nunca ter adquirido criptomoedas.

O estudo da Kaspersky concluiu que existe uma grande vontade entre muitos dos consumidores para utilizarem as criptomoedas, mas esta falta de conhecimento está a dificultar todo o processo de adesão.

Ainda assim, muitas das pessoas que pensavam que sabiam com o que estavam a lidar, mais tarde decidiram afastar-se das criptomoedas. Aliás, quase um quinto parou de utilizá-las por considerar que eram “tecnicamente complicadas”.

Contudo, a falta de conhecimento pode estar a gerar uma corrente de desconfiança face às criptomoedas e a afectar a capacidade dos consumidores em manter o seu dinheiro longe de perigo. Por exemplo, quase um terço (31%) dos inquiridos revelou que consideram que as criptomoedas são voláteis e que precisam de se tornar mais estáveis, antes de estarem preparados para as usarem.

Há, também, a percepção frequente entre os consumidores de que as criptomoedas não vão durar para sempre. Inclusive, um terço (35%) acredita que estas moedas estão apenas “na moda” e que não vale a pena preocuparem-se com elas.

Um quinto (20%) dos inquiridos afirmou que, apesar de não estar a usar, de momento, criptomoedas, gostaria de usá-las no futuro. No entanto, a dúvida ainda permanece entre os consumidores, sendo muitas vezes guiados pelo medo de colocarem em risco as suas finanças.

O que é certo é que os hackers podem utilizar as criptomoedas em seu proveito, uma vez que cerca de um em cinco (19%) inquiridos revelou já ter sofrido um ataque deste género. Os criminosos também criam e-wallets falsas para levarem as pessoas a investir o seu dinheiro de forma incorrecta, tornando-se vítimas de fraude.

“Se os consumidores querem trocar ou negociar os seus bens de criptomoedas, devem prestar atenção à segurança das credenciais da sua conta. Se tiverem em mente investimentos a longo prazo ou utilizarem as criptomoedas para pagamentos, devem guardá-las num ambiente seguro e utilizar várias wallets ou, ainda, distribuí-las entre o software e o hardware. Aconselhamos também às empresas de criptomoedas a organizarem-se de forma eficiente para conseguirem mostrar aos seus clientes que são capazes de proteger os seus investimentos”, afirmou Vitaly Mzokov, responsável da área de comércio da Kaspersky.

Via Kaspersky.

PCGuia
Este site utiliza cookies. Ao continuar a utilizá-lo estará a aceitar a nossa política de privacidade e os nossos Termos de utilização. Mais informação acerca da forma como utilizamos cookies está disponível aqui.
×