Play – Doom

A análise ao jogo Doom para Nintendo Switch.

Em Maio de 2016 publicámos a nossa review ao reboot de Doom que a Bethesda Software lançou para PS4, Xbox One e PC. Agora chegou a vez da esperada versão para a Nintendo Switch, a mais recente consola da Nintendo.

A primeira coisa que me surpreendeu nesta versão de Doom foi chegar à plataforma desta editora, aquela empresa que fazia questão de ter apenas jogos familiares com um mínimo possível de cenas com sangue e tripas.

Ora ‘sangue e tripas’ é o que não falta em Doom, mesmo nesta versão para Switch. A história é exactamente a mesma: a nossa personagem acorda numa enfermaria prestes a ser devorada por monstros. Depois de se livrar deles terá de encontrar a armadura, as armas e descobrir porque é que ficou naquela situação delicada.

A acção passa-se numa base no planeta Marte onde se estavam a fazer experiências para tentar usar a energia do Inferno para alimentar a civilização humana. Como se pode perceber, tem tudo para correr bem…

Em termos gráficos, a versão Switch de Doom está um pouco reduzida. As texturas são algo piores e o detalhe dos objectos, menor. No entanto, tudo flui como nas outras plataformas para as quais o jogo foi lançado originalmente. A versão que testei na primeira review que fiz foi para Windows e posso dizer que nada, mesmo nada, chega à experiência de jogo com teclado e rato.

É exactamenten os controlos que está o problema deste Doom: a adaptação que a Bethesda fez não teve praticamente em conta as diferenças de jogar com teclado e rato ou com os comandos de uma consola. Na Switch, fazer um headshot repetidamente é mais uma questão de sorte, que de técnica, isto porque os controlos, por defeito, estão sensíveis demais. Por isso, é muito mais fácil de crivar um inimigo de balas no corpo que conseguir matá-lo com um ou dois tiros na cabeça.

Outra coisa menos boa é que o jogo devia inclui uma lupa para quando se tem de navegar pelos menus quando se está a jogar com a Switch em modo portátil. Simplesmente, as letras são tão pequenas que se consegue ler absolutamente nada. E não estou a falar de mim:mesmo uma pessoa com uma visão 20/20 tem dificuldade. Aqui nota-se que houve alguma preguiça para pôr o jogo a detectar o modo de funcionamento da consola e ajustar o tamanho da letra nos menus.

De resto, está lá tudo:o sangue, as tripas e todos os modos jogo disponíveis na versão original, incluído o multiplayer, caso tenha um amigo com Switch e com o Doom. Mas não, não dá para jogar contra os utilizadores de outras plataformas. Infelizmente.

Ponto final

Doom para Nintendo Switch é uma experiência divertida e muito fiel ao original. Quanto às coisas menos boas, não é nada que um patch não resolva.

+É mesmo o Doom
– Precisão do controlo
-Tamanho da letra em modo portátil

Gráficos: 8
Som: 9
Jogabilidade: 8
Longevidade: 9
Nota final: 8,5

Distribuidor: Nintendo
Contacto: nintendo.pt
Preço: €59,99

Categorias
AnálisesJogos

Sou director da PCGuia há alguns anos e gosto de tecnologia em todas as suas formas. Estou neste mundo muito por culpa da minha curiosidade quase insaciável e por ser um fã de ficção científica.
Assinaturas

ARTIGOS RELACIONADOS

Newsletter PCGuia
Subscreva a newsletter da PCGuia para ficar a par das últimas notícias, dicas e análises de hardware e software.
Subscrever
close-link