Play – Mario + Rabbids Kingdom Battle

Este jogo mistura dois mundos que até agora nunca se tinham encontrado: o dosRabbids,(criaturas que se parecem com coelhos, que apareceram primeiro nos jogos Rayman da Ubisoft) e o de Mario, o canalizador/salvador de princesas profissional da Nintendo.

Em Mario+Rabbids, um cientista inventa uma máquina chamada SupaMerge que, depois de cair nas mãos dos Rabbids, faz com que estes dois mundos se juntem num único. A partir daqui o objectivo é muito simples: parar os Rabbids e salvar o Reino dos Cogumelos da princesa Peache de Mario.

Para isso, várias personagens do universo de Super Mario, como ele próprio, a princesa e outros têm de explorar o Reino dos Cogumelos à procura dos Rabbids e defrontá-los em batalhas sucessivas. Mario + Rabbids é talvez o jogo de Mario para a Nintendo Switch que tem um dos mundos mais bem concebidos que já vi. Em certos casos ultrapassa mesmo a obra prima que é Super Mario Odyssey: a cor e as texturas estão perfeitas.
A forma como se utilizam estes elementos faz com que este mundo se pareça com um bolo muito bem decorado, cheio de detalhe, que se quer comer até ao fim. As situações em que por vezes as personagens se encontram são hilariantes principalmente quando envolvem os Rabbids.

Mario+Rabbids é um jogo invulgar no contexto do universo de Mario, não é um jogo de plataformas, nem tão pouco um jogo de exploração puro. É um jogo de combate à vez na melhor tradição de X-Com. Quando Mario e os Rabbids têm de se defrontar nas várias arenas espalhadas por todo o Mushroom Kingdom, duas equipas de três personagens são dispostas no terreno para tirar partido dos obstáculos para se protegerem.

Depois, existem dois momentos: mover e disparar. O utilizador escolhe a personagem que quer usar, move-a para um local onde tenha linha de vista do adversário, dispara a sua arma e depois, se ainda tiver pontos de movimento, pode voltar a esconder-se. Se não tiver, terá de ficar onde está. Quando o jogador esgotar as três vezes correspondentes às suas personagens, é a vez da consola. O combate acaba quando uma das equipas for aniquilada.
Depois,existem vários efeitos que podem ser aprendidos à medida que se avança e quepodem ser aplicadosàspersonagens ou às suas armas. Por exemplo existem efeitos de certas armas que prendem um inimigo no sítio, outro que o faz saltar fora do mapa (eliminando-o no processo). Do lado dos efeitos específicos das personagens, Luigi pode aumentar os pontos de movimento de toda a equipa eMariopode ensinar a equipa a saltar para anular os obstáculos que protegem os inimigos. Estesfactoresrequerem que o jogador planeie os confrontos e escolha as personagens e armas mais adequados aos inimigos que vai defrontar a certo momento.

Apesar de ser muito bonito, de se passar numa terra de sonho e de ter personagens queridas, este jogo é difícil, por vezes até muito frustrante em certas zonas. Não há uma progressão linear da dificuldade, uma vez que tanto há combates dificílimos numa zona e, na seguinte, estes são realmente fáceis; e vice-versa. Esta dificuldade acrescida pode advir de não se ter as personagens certas para os respectivos combates, o que nos obriga e recomeçar e a escolher outras.

Ponto final

Tem uma Switch? Então compre Mario+Rabbids Kingdom Battle, porque não se vai arrepender. É um jogo muito bem conseguido graficamente, divertido e dá luta. Às vezes até demais!

+Mundo
+Mecânica de jogo
-Às vezes dá vontade de destruir a consola…

Gráficos: 9
Som: 8
Jogabilidade: 9
Longevidade: 8
Nota final: 8,5

Editora: Ubisoft
Distribuidora: Ubisoft
Site: Ubisoft.com
Platafroma: NintendoSwitch
Preço: €49,99

Categorias
AnálisesJogos

Sou director da PCGuia há alguns anos e gosto de tecnologia em todas as suas formas. Estou neste mundo muito por culpa da minha curiosidade quase insaciável e por ser um fã de ficção científica.
Assinaturas

ARTIGOS RELACIONADOS

Newsletter PCGuia
Subscreva a newsletter da PCGuia para ficar a par das últimas notícias, dicas e análises de hardware e software.
Subscrever
close-link