O 5G ainda não existe na prática e já se começa a falar do 6G

6Genesis

Muito se tem falado nas novas redes 5G, há testes e promessas, mas a realidade é que ainda ninguém implementou uma rede destas comercialmente. Neste quadro, a Universidade de Oulu na Finlândia já começou a pensar na próxima geração, a 6G.

O Centre for Wireless Communications da universidade, responsável por uma parte substancial do desenvolvimento de soluções para redes 5G, anunciou esta semana que ia começar um programa de oitos anos chamado ‘6Genesis’ para começar a criar as fundações para uma nova geração de redes e dispositivos sem fios.

No documento onde se propõe a iniciativa, o director, Matti Ltava-aho, explica que as novas gerações de dispositivos móveis aparecem a cada 10 anos e, por isso, o 6G deverá surgir em 2030 e servirá não só para ir de encontro às expectativas que não foram atendidas com as redes 5G, como também disponibilizar novas funcionalidades. Numa entrevista ao site da universidade, Matti Latva-aho diz que o 6G terá fortes componentes de computação distribuída e inteligência, bem como materiais e antenas de muito altas frequências, o que quer dizer que será preciso fazer pesquisa e desenvolvimento de tecnologias de rádio na gama os Tera Herz e também no campo da inteligência artificial.

Os primeiros estudos para o 6G serão orientados para exploração de tecnologias que ainda não são possíveis, mas que serão evoluções da tecnologia 5G actual, como por exemplo as redes rádio de frequências THz. Para conseguir a transmissão de dados de alta velocidade, os dispositivos 5G utilizam várias frequências na gama dos GHz, por isso esta será certamente uma das áreas centrais no desenvolvimento do 6G.