Projecto de gamificação na reciclagem em Cascais dá seis mil prémios num ano

Segundo a Cascais Ambiente, o iREC foi o «primeiro projecto de devolução de embalagens de bebidas a introduzir esta modalidade de incentivo em Portugal».

A disposição para fazer reciclagem de vidro, papel e plástico nem sempre está em níveis altos e, por vezes, é preciso criar incentivos para promover esta boa prática ambiental. O concelho de Cascais entrou neste jogo e adoptou um projecto de gamificação para este ‘R’.

O iREC, criado em Janeiro de 2021, chegam os primeiros resultados de encher o olho: foram entregues «mais de um milhão de embalagens» para reciclagem, os munícipes ganharam 1,2 milhões de pontos (os Citypoints) , pontos esses que puderam ser usados para trocar por seis mil prémios – o modelo clássico de um qualquer jogo de computador.

Contudo, aqui as recompensas não são skins para armas, jogadores para uma equipa de futebol ou personagens. No iREC, os pontos podem ser trocados por «produtos ou serviços de entidades locais, numa lógica de promoção da economia local» e também de «sustentabilidade», explica a Cascais Ambiente.

Entre estes estão, por exemplo, os sapatos Zouri (feitos com plástico recuperado na costa portuguesa), os fatos banho Oiôba e Panareha (criados com PET), esponjas, (produzidas com excedente de tecidos), produtos de limpeza Eco x (com óleos alimentares usados) e kits educativos para as crianças.

Para fazer a troca de embalagens por pontos, é preciso usar uma das quinze máquinas que o município instalou em lojas do concelho; e o projecto vai além da reciclagem, com o conceito de gamificação também a premiar quem «doa sangue, adopta um animal ou usa os transportes públicos».

Segundo a Cascais Ambiente, o iREC foi o «primeiro projecto de devolução de embalagens de bebidas a introduzir esta modalidade de incentivo em Portugal» e deu o pontapé de saída para a criação de iniciativas semelhantes «de Norte a Sul do País».