Empresas europeias querem impedir a Microsoft de oferecer o OneDrive e outros serviços com o Windows

Várias empresas tecnológicas europeias, lideradas pela Nextcloud, queixaram-se à Comissão Europeia por a Microsoft estar a distribuir vários serviços e aplicações com o Windows.
Microsoft

Quase três dezenas de empresas tecnológicas europeias estão a acusar a Microsoft de abuso de posição dominante, porque a empresa distribui e promove agressivamente vários serviços, como o OneDrive, Office 365 e o Teams, através do sistema operativo Windows. A empresa alemã especializada em armazenamento em cloud, Nextcloud, revelou que pediu oficialmente à União Europeia e às autoridades alemãs que ponham fim às actividades anticoncorrenciais da Microsoft. A empresa alemã, junto com outras 30 empresas tecnológicas europeias, vai também fazer uma queixa formal em França, com o objectivo de que todas tenham as mesmas hipóteses de chegarem ao mercado.

De acordo com a Nextcloud, as práticas anticoncorrenciais de empresas como a Microsoft, Google e Amazon, permitiram que, ao longo dos anos, estas entidades conseguissem obter uma quota de 66 por cento de todo o mercado europeu, enquanto as empresas europeias ficaram reduzidas a 16 por cento.

A empresa alemã está a liderar uma coligação, chamada ‘Coalition for a level playing field’, para fazer com que a União Europeia ouça as suas queixas. A integração do serviço de armazenamento OneDrive com o Windows, é comparada com a “guerra dos browsers” do final dos anos 90 do século passado, quando a Microsoft começou a distribuir o Internet Explorer com o Windows, para concorrer com o Navigator da Netscape.

A Nextcloud acusa a Microsoft de impingir o OneDrive aos utilizadores através da pré-instalação do serviço quando eles instalam o sistema operativo Windows e com a oferta de espaço de armazenamento gratuito através de mensagens pop-up enquanto os utilizadores usam o computador. O Microsoft Teams, que, no ano passado, também foi alvo de um processo movido pelo Slack na União Europeia, também é referido na queixa por agora fazer parte do Windows 11.

No site da coligação, a Nextcloud diz que: “Esta situação impossibilita a concorrência com os serviços SaaS deles.” Neste site, a Nextcloud e os outros membros da coligação também publicaram as exigências que fazem a União Europeia:

Impedir a Microsoft de pré-instalar ou anunciar os seus serviços no sistema operativo para garantir as mesmas hipóteses a todos os fornecedores de serviços.

A adopção de standards abertos e interoperabilidade para facilitar a migração entre serviço, para que os consumidores tenham a hipótese de escolherem.

A Nextcloud acredita que o futuro Digital Markets Act da União Europeia pode vir a limitar a posição de ‘gatekeeper’ da Microsoft e dar mais hipóteses às empresas mais pequenas de concorrerem no mercado europeu.

Exit mobile version