5 sugestões para ligar dispositivos de armazenamento antigos ao seu PC novo

Muitas vezes, a única razão para comprar, ou construir, um PC novo é porque o antigo deixou de funcionar. No entanto, na grande maioria dos casos, os dispositivos de armazenagem, como discos rígidos, DVD e disquetes continuam a funcionar e podem ser usados com a máquina nova. Basta ter o hardware certo.
Muitas vezes, a única razão para comprar, ou construir, um PC novo é porque o antigo deixou de funcionar. No entanto, na grande maioria dos casos, os dispositivos de armazenagem, como discos rígidos, DVD e disquetes continuam a funcionar e podem ser usados com a máquina nova. Basta ter o hardware certo.

Quando o seu computador antigo deixa de funcionar, ou quando tem mesmo de fazer uma actualização para uma máquina nova, mais rápida, muitas vezes fica com centenas de disquetes, suportes ópticos, como CD e DVD, ou mesmo discos rígidos que não consegue usar, porque a nova máquina não tem hardware capaz de ler estes suportes de dados.

Se montar um PC, tem sempre a hipótese de comprar uma caixa com baias de 5,25 polegadas para instalar a sua drive óptica antiga, mas, se comprar um computador já montado, o mais provável é que não tenha espaço para este tipo de hardware. Se quiser recuperar os dados de discos rígidos antigos ou mesmo das disquetes que tem em casa, o mais provável é que também não seja possível ligar estas drives directamente à motherboard.

Com este pequeno guia vamos dar-lhe algumas sugestões de hardware que lhe permite usar os seus suportes de dados antigos num PC moderno.

Drives ópticas externas

Asus

Há muito que as drives ópticas para ler escrever CD, DVD e Blu-ray já não custam pequenas fortunas. Hoje em dia na Amazon encontra um leitor/gravador de Blu-ray USB da LG que grava a 6X por 81 euros, ou um mais rápido da Asus por €155,89.

Caixas para discos rígidos

Se tem um disco rígido SATA, mas não tem espaço para o instalar dentro do computador, pode usá-lo como disco externo, basta ter uma entrada USB livre.

Ugreen

Se tiver um disco, ou um SSD, SATA de 2,5 polegadas, com interface SATA, pode usar esta opção da Sabrent, que custa 10 euros, ou a da Ugreen, em metal, que custa 29,99 euros.

Se o disco for de 3,5 polegadas, vai precisar de uma caixa maior para o poder usar externamente. Pode optar por uma da Sabrent que tem uma ventoinha para manter o disco o mais fresco possível, ou uma sem ventoinha da Orico.

Também estão disponíveis opções para drives SSD M.2, SATA ou NVMe.

Leitores de cartões de memória

Leitor_2

Se o seu computador não tiver um leitor de cartões de memória, esta solução da Vanja custa apenas 8 euros, lê cartões SD e microSD e tem ligações USB 2.0 Type-A e OTG para ligar directamente ao seu dispositivo móvel. Se quiser uma solução mais completa (mas menos portátil), espreite este leitor 7 em 1 com ligação USB 3.0.

Drives de disquetes

As disquetes são já uma espécie em vias de extinção, mas muita gente ainda as tem em casa e como podem ter algo importante gravado, convém ter uma forma de as ler, quanto mais não seja para fazer cópias de segurança para a cloud ou para um disco.

Disquetes

Esta drive de disquetes de 3,5 polegadas com interface USB Type-A, custa 35 euros e consegue ler todas as que tiver perdidas lá por sua casa. Se o seu computador não tiver entradas USB Type-A, pode comprar um adaptador da Amazon para USB Type-C por 7,5 euros.

Adaptadores para discos IDE

IDE

Antes das interfaces SATA, haviam as interfaces Parallel ATA (também conhecidas como IDE), que também eram usadas para ligar discos rígidos e drives ópticas directamente à motherboard do computador. Se ainda tiver algum disco IDE perdido, e quiser ver o que lá está dentro, tem a opção de comprar uma caixa para discos externos que transforma IDE em USB ou, em alternativa pode comprar uma placa IDE com interface PCI-Express, que lhe custa 20 euros.

Também estão disponíveis adaptadores externos que permitem ligar directamente um ou mais discos rígidos IDE, mas que não oferecem a protecção de uma caixa. Se optar por esta solução, tem de ter em atenção que os discos não devem ser desligados com o computador ligado (ou sem usar a opção de ejecção do Windows) e que os discos devem ter algum espaço para que se possa ligá-los à corrente.