HP ZBook Firefly G8

O “pirilampo” topo de gama da HP passa a G8 e continua a ser uma das workstations mais fiáveis do mercado. Este ano, até vem preparado para a pandemia com uma característica curiosa de higiene.

Longe vão os tempos em que as workstations portáteis eram computadores bastante pesados – na altura costumava-se dizer que de portáteis tinham muito pouco, por serem laptops feitos para ficar numa secretária, tal como os desktops, e não para os andarmos a passear de um lado para o outro. A mobilidade em trabalhos criativos tornou-se quase um padrão e a evolução tecnológica acabou por acompanhar esta tendência: os componentes tornaram-se mais pequenos e compactos – talvez, o maior exemplo sejam as placas gráficas e os discos, que deixaram de ser mecânicos para serem SSD. Com isto, tudo ficou mais leve e, finalmente, transportável. Apesar de ter quase dois quilos, o sucessor do G7 é um portátil pleno, mas com as habituais características de workstation a que a HP já nos habituou.

Pirilampo profissional
Este Firefly (pirilampo, em português) continua a ser uma luz que guia a estratégia da HP para o mercado mais profissional. Está preparado para edição de conteúdos multimédia, com foco especial na fotografia e 3D – por exemplo, para arquitectos ou desenhadores industriais que tenham de usar AutoCAD. Nas horas vagas não vamos poder meter aqui um jogo triple AAA, mas este computador não será alérgico a jogos: pode ser uma boa companhia para umas battle royale em PUBG ou Call of Duty.

Ainda no campo multimédia, a HP volta a apostar na parceria com a Bang & Olufsen, desta vez com uma minibarra de som que ocupa na horizontal a zona que fica entre o teclado e o ecrã. O desempenho está uns furos acima do clássico neste tipo de equipamento.

Mil ciclos de limpeza
Como referimos na entrada, este novo portátil da HP aparece ainda em altura de pandemia, onde todos passámos a ter cuidados-extra de higiene nos nossos postos de trabalho nas sedes das empresas e mesmo em casa. Ora, sendo esta uma máquina que, provavelmente, pode andar cá e lá, torna-se um veículo privilegiado de bactérias e outras ameaças do género. Foi por isso que a HP o desenhou para que pudesse ser limpo com até mil ciclos de toalhitas com desinfectante, uma característica que, além de ser curiosas, acaba por ser um argumento de marketing interessante nos tempos que correm.

Grande teclado
A HP diz que o G8 é a versão mais leve e compacta do ZBook de sempre, mas isso não impediu a marca de colocar um teclado completo e um trackpad gigante, como dois generosos botões clicáveis, tal como acontece num rato. em relação ao G7, este teclado ganhou retroiluminação e inclui ainda um apontador no meio (track point), muito ao estilo dos ThinkPad da IBM. Aqui, tudo é confortável e agradável de usar, o que nem sempre é verdade nos computadores deste género. O mesmo já não podemos dizer da solução usada pela HP para a webcam: o slider em plástico que nos permite tapar/destapar a lente é de difícil utilização, muito por culpa de ter dimensões muito pequenas, quase à face com a moldura do G8.


Distribuidor: HP

Preço: €2049


Benchmarks

  • PCMark 10 Produtividade: 6509
  • PCMark 10 Home: 5022
  • 3D Mark Cloudgate: 13 252
  • PC Mark 8 Home: 403 minutos

Ficha Técnica

Processador: Intel Core i7-1185G7 3 GHz
Memória: 16 GB DDR4
Armazenamento: 512 GB NVMe/PCIe M.2
Placa Gráfica: Intel Xe 400 MHz | Nvidia T500 1185 MHz
Ecrã: 15,6” FHD, IPS (1920 x 1080)
Ligações: 2 x HDMI, 2 x USB Type-C, 2 x USB, jack 3,5 mm
Dimensões: 359,5 x 233,6 x 19,2 mm
Peso: 1,7 Kg