Ratchet & Clank: Rift Apart

Este é o primeiro título que realmente tira partido do poderio da PlayStation 5, tanto ao nível dos gráficos, como do novo sistema de armazenamento. É quase como se a Pixar fizesse um filme em que se consegue controlar os protagonistas.

Quando a Sony mostrou os primeiros vídeos de Ratchet & Clank: Rift Apart no evento de lançamento da PlayStation 5, confesso que, apesar de parecer engraçado, visualmente estava muito próximo do que se conseguia fazer com uma PlayStation 4.

Mas, quando pus as mãos no jogo, a minha opinião mudou radicalmente. Simplesmente os trailers e os vídeos de gameplay não lhe fazem justiça.

 

Continuação

Ratchet & Clank: Rift Apart é a continuação de Into the Nexus, publicado em 2013. Neste jogo, Ratchet e Clank têm de salvar o universo dos esquemas do Doctor Nefarious, desta vez num plano que envolve vários universos paralelos ou dimensões. Mas, desta vez, Ratchet e Clank não estão sozinhos nas suas aventuras.

Imperador Nefarious
O imperador Nafarious.

Neste jogo é apresentada uma nova heroína, Rivet, uma Lombax que vem de um universo governado pelo ‘Imperador Nefarious’. Jogar com Rivet é exactamente igual a jogar com Ratchet, as armas são as mesmas (quando desbloqueia uma arma para um, fica disponível para o outro) e os controlos também são os mesmos.

Rivet
Rivet, uma das novas personagens de Rift Apart.

Plataformas

Em termos de jogo, a parte em que se tem de saltar de plataforma em plataforma é essencialmente igual às dos episódios anteriores. Pode-se viajar do ponto A para o ponto B saltando, flutuando ou através do cabo que os nossos heróis usam para saltar de dimensão em dimensão. Uma novidade são as fendas dimensionais que oferecem a possibilidade de se passar instantaneamente de uma parte do cenário, para outra. Isto dá muito jeito para flanquear os inimigos, ou fugir de uma situação mais complicada. Esta na funcionalidade está muito bem integrada com os comandos tradicionais de Ratchet & Clank.

Para além das plataformas, também se pode deslizar por carris ou montando animais, como caracóis gigantes ou criaturas voadoras que fazem lembrar as de Avatar.

Ao contrário dos caracóis que todos conhecemos, os de Ratchet & Clank são os seres mais rápidos que se conseguem encontrar no jogo e permitem atravessar zonas em que o chão nos mata instantaneamente.

No geral, viajar pelos cenários do jogo é muito divertido e algumas vezes bastante desafiante.

 

Armas de destruição maciça

Para além das plataformas, uma das componentes mais importantes deste jogo é o combate. E para isto há armas para todos os gostos. Do martelo ao lança rockets, passando por armas um pouco mais exóticas, como uma que paralisa os inimigos dentro de cubos de gelo, ou outra que liberta pequenos robôs que vão tentar destruir os inimigos.

Algumas já existiam nos episódios anteriores, mas forma melhoradas com novas animações.

Todas as armas vão ficando mais poderosas à medida que são usadas, o que aumenta bastante o dano que conseguem fazer.

Ao longo do jogo vai apanhando um mineral chamado ‘raritanium’ que permite desbloquear novas funcionalidades das armas, mas essas funcionalidades só ficam disponíveis para desbloqueio quando passam de nível com o uso. O ‘raritanium’ é apanhado quando se derrotam mini bosses ou procurando no mapa.

Os inimigos atacam em vagas e em grande número, o que obriga a estar constantemente em movimento, há explosões por todo o lado e pode dizer-se que, apesar de parecer um filme da Pixar, Ratchet & Clank: Rift Apart é um shooter a sério e por vezes tão difícil como qualquer jogo “mais sério” desse tipo.

Para fazer um intervalo dos tiros, o jogo intercala alguns níveis em que Clank tem de reparar fracturas nas dimensões. Estes minijogos fazem lembrar o saudoso Lemmings, em que se tem de levar um conjunto de Clanks virtuais do ponto de partida até à chegada. Como estes Clanks virtuais só andam a direito e nunca param, têm de ser dirigidos para onde quer que eles vão. Isto é feito através de esferas coloridas, cada uma com um poder diferente. Por exemplo, quando é necessário que saltem, tem de usar uma esfera de antigravidade. Como é natural, estes puzzles são progressivamente mais complicados à medida que avança no jogo.

De volta aos tiros, há outro minijogo que o põe a comandar um pequeno robô que tem de limpar os vírus de terminais de computadores. Estes minijogos são completamente 3D, o que quer dizer que terá de andar pelas paredes e tectos para chegar aos locais das infecções.

 

Apanhar tudo

Para além de poder encontrar o raritanium, os planetas que visita têm muitos objectos escondidos, como parafusos dourados, robôs espiões e armaduras. Ao apanhar estes objectos são desbloqueadas algumas funções avançadas, como a capacidade de fazer mais danos aos inimigos ou baixar a quantidade de dano que os inimigos lhe conseguem fazer.

Ratchet_Clank_Rift_Parafuso

A armadura que vai apanhando não altera em nada as suas capacidades, o que lhe permite misturar elementos para criar o seu próprio look sem alterar a progressão da sua personagem.

Quando acaba a campanha, desbloqueia o modo Challenge. Neste modo de jogo consegue melhorar ainda mais as armas e os inimigos são mais difíceis de eliminar, mesmo que não altere o nível de dificuldade. Toda a progressão que fez às armas anteriormente, transita para o novo modo de jogo.

 

Nova geração de comando

Ratchet & Clank: Rift Apart usa as novas funcionalidades de feedback háptico do comando DualSense e também a funcionalidade de gatilho adaptável. Por exemplo, quando anda com as botas magnéticas, sente-se uma ligeira trepidação no comando. Quando usa as armas pesadas, todo o comando vibra.

Quanto aos gatilhos, os dois tipos de tiro (fire e alt fire) estão implementados num único gatilho. Se premir até ele começar a oferecer resistência, ele usa o tiro normal. Se continuar a premir até ao fim, usa-se o alt fire.

 

Gráficos

Como escrevi no início, Ratchet & Clank: Rift Apartt parece um filme da Pixar, os detalhes dos cenários são impressionantes, há ray tracing, iluminação volumétrica e nevoeiro. Uma das coisas mais impressionantes é o pormenor do pelo de Ratchet e de Rivet quando estão em planos mais fechados.

Rivet

Este jogo oferece três modos gráficos: Fidelity Mode, que permite jogar a 4K com todos os pormenores, mas a 30 FPS. Performance Mode que permite jogar a 4K, a 60 FPS, mas sem ray tracing. E o modo Performance RT que oferece gráficos 4K com resolução variável a 60 FP com ray trace. Os gráficos são bons em todos os modos, mas o modo Performance RT é que oferece o melhor equilíbrio de frame rates e qualidade dos gráficos.

As únicas coisas menos boas que detectei durante o jogo foram os crashes. O jogo crashou várias vezes, ao ponto de corromper os saves, mas, felizmente, havia sempre backups na cloud da Sony para resolver o problema.


Desenvolvido por: Insomniac Games

Distribuidora: Sony

Contacto: insomniac.games

Disponível para: PlayStation 5

Preço: €79,99


Selo PCGuia Excelência