Huawei lança sistema operativo HarmonyOS para substituir o Android

A Huawei apresentou finalmente o seu HarmonyOS, o sistema operativo que fará funcionar os dispositivos da marca no futuro.
HarmonyOS

A Huawei apresentou esta semana o sistema operativo HarmonyOS que servirá de substituto para o sistema operativo Android, cuja utilização está vedada à empresa chinesa desde que entrou na lista de entidades impedidas de fazer negócios com empresas americanas por, supostamente, terem ligações ao exército chinês.

O novo HarmonyOS será o sistema operativo que fará funcionar vários dispositivos da Huawei, incluindo smartphones, tablets e wearables. No evento de apresentação, a empresa anunciou também os primeiros produtos que usam este sistema, que incluem um tablet, um novo smartwatch (que será avaliado em breve na PCGuia) e um smartphone.

Na realidade, o HarmonyOS são dois sistemas operativos diferentes: a versão para dispositivos IoT (Internet of Tings) e wearables baseada no LiteOS, também da Huawei e que é opensource. E a versão para smartphones e tablets que é uma fork do Android e usa o kernel do Linux.

Vários meios de comunicação, como o Techcrunch e o alemão ComputerBase pediram mais informações acerca da utilização do kernel do Linux por parte da Huawei e obtiveram respostas diferentes. Ao site americano, a empresa declinou confirmar ou desmentir que utilizava o kernel Linux. Já o site alemão cita o responsável pelo software da Huawei, que diz que para manter as experiências de utilização usadas há já muito tempo pelos clientes da Huawei, é utilizado código ao Android Open Source Project (AOSP) no HarmonyOS. Esta utilização está de acordo com as regras que regem o uso de código aberto e também cumpre todas as responsabilidades e obrigações.

Segundo a empresa, até hoje mais de 50000 programadores começaram a desenvolver aplicações para o HarmonyOS, mas não se sabe se empresas ocidentais, como a Google ou o Facebook estão nessa lista.

Alguns fabricantes de hardware chineses também estão a desenvolver produtos para o novo ecossistema da Huawei, como a Meizu, que anunciou que futuros dispositivos poderão usar o sistema operativo da Huawei.

O objectivo da Huawei é reunir todos os dispositivos que usem o HarmonyOS sob um único painel de controlo que permitirá, por exemplo, emparelhar auscultadores Bluetooth remotamente ou permitir que um jogo que esteja a ser jogado num tablet possa continuar a ser jogado num tablet.

Os dispositivos que ainda não tenham o HarmonyOS podem comunicar com dispositivos Huawei através de um plugin. Podem, por exemplo, passar-se directamente fotografias de um smartphone Huawei com HarmonyOS para um computador Windows que tenha o dite plugin. No limite, este plugin poderá chegar também a dispositivos Android ou iOS.

A Huawei é a mais recente tecnológica a apresentar o seu próprio sistema operativo para dispositivos móveis, o que, como se sabe, é uma tarefa algo difícil, basta olhar, por exemplo, para a Microsoft que apesar do seu tamanho e recursos, não conseguiu impor o seu Windows Mobile. No entanto, a Huawei tem vários factores a jogar em seu favor, como o facto de ser um dos maiores fabricantes de dispositivos móveis da China, embora tenha perdido mercado no ocidente fruto das sanções a que está sujeita.