Escolha o SSD certo

Actualizar o seu PC com um SSD é o melhor investimento que pode fazer. Se tem dúvidas, vamos ajudá-lo a decidir.

Se ainda tem um disco rígido mecânico no seu computador, saiba que substituir este por uma unidade sólida (SSD) será a melhor solução para melhorar o desempenho do PC. O Windows iniciará muito mais depressa, os programas irão abrir mais rapidamente e, se tiver um portátil, a bateria vai durar mais tempo. O problema está em saber qual será o melhor SSD, pois poderá entusiasmar-se com as especificações e adquirir uma unidade que não é compatível com o seu PC.

Formatos SSD
Para começar, convém explicar que existem diversos formatos de unidades SSD, algumas delas em módulos e outras numa caixa, a simular um disco rígido de 2,5 polegadas. Este último formato é, inclusive, o mais habitual, pois permite uma fácil instalação em qualquer torre de computador ou num computador portátil, com uma ligação SATA. Esta ligação estará limitada a 560 MB/s de largura de banda, o que embora seja significativamente mais lento que as unidades SSD actuais, não deixa de ser uma impressionante melhoria face aos 150 MB/s obtidos por um disco rígido mecânico.

Existem também unidades SSD que tiram partido da interface SATA, embora com um formato que dispensa o uso da caixa, facilitando a sua instalação, que pode assim ser directa na motherboard. Designado de ‘mSATA’, este formato acabou por não ter muito sucesso com a chegada do M.2 – embora semelhante, permitia a utilização, tanto da interface SATA, como da futura NVMe (têm o mesmo encaixe), embora com ligeiras diferenças: encaixe SATA com dois cortes, encaixe NVMe com um corte.

Destas, a NVMe é significativamente superior, por utilizar uma ligação PCI-Express (PCIe), que garante até 7000 MB/s de largura de banda nos modelos de última geração (PCIe 4.0), cerca de 46 vezes superior a um disco rígido mecânico e 12 vezes superior a um SSD SATA.

Curiosamente, embora a diferença entre um SSD SATA e um SSD NVMe seja significativa, só é sentida na altura em que estiver a transferir ficheiros, ou a desempenhar tarefas muito exigentes, como edição de vídeo, já que a abrir aplicações e no arranque do Windows, as diferenças de tempo são insignificantes.

SSD SATA

Instalar SSD num PC de secretária
Na maioria dos casos, poderá perceber qual é o SSD compatível com o seu PC verificando a página do fabricante, o manual do computador ou da motherboard. No caso dos computadores de secretária, estes tendem a oferecer um maior grau de compatibilidade, já que praticamente todas as motherboards têm (ainda) ligações SATA, e quase todos os modelos recentes, ou relativamente recentes, vêm com o encaixe M.2 ou mSATA.

Caso esta tenha encaixes M.2 ou mSATA disponíveis, estas deverão estar junto aos encaixes PCIe X16, utilizados pelas placas gráficas. Após detectar a presença dos encaixes M.2, deverá determinar se os mesmos são do tipo SATA ou NVMe, algo que poderá ser facilmente confirmado simplesmente através de uma rápida observação. Se o encaixe M.2 tiver apenas um entalhe nos contactos, trata-se de uma solução NVMe, pois o encaixe com dois entalhes nos contactos será sinónimo de ligação mSATA.

Esta identificação é fundamental, pois embora os módulos SSD M.2 do tipo mSATA possam encaixar perfeitamente nas ligações NVMe, algumas motherboards mais recentes já não são compatíveis com esta interface. Além disso, temos a agravante de os módulos SSD M.2 do tipo NVMe não encaixarem na ligação mSATA.

Para instalar um módulo SSD num encaixe M.2, tem de o colocar com uma inclinação próxima dos trinta graus; assim que os contactos estiverem totalmente encaixados, pressione o módulo para baixo, aparafusando-o na extremidade oposta, junto do suporte existente.

Se a sua motherboard for mais antiga e não tiver qualquer encaixe M.2, não desespere: poderá sempre dar uso às ligações SATA. Para tal, deverá escolher um SSD de 2.5 polegadas com ligação SATA. Existe a possibilidade de o seu computador não permitir a instalação de um SSD de 2,5 polegadas, pelo que recomendamos adquirir um adaptador de 2,5 para 3,5 polegadas, a medida universal dos discos rígidos internos.

Se o seu computador for ainda mais antigo, e não tiver uma ligação SATA, mas sim uma IDE, então temos más notícias: embora seja possível usar um adaptador SATA para IDE, isso seria um desperdício total, visto que a interface IDE iria limitar o SSD a uma velocidade máxima de 100 MB/s.

SSD NVMe

SSD num computador portátil
Se quiser instalar um SSD num computador portátil, prepare-se, pois estará mais limitado em termos de opções. O mais provável é que, num portátil tradicional, tenha apenas a possibilidade de substituir o actual disco rígido mecânico por um SSD SATA de 2,5 polegadas, o que poderá implicar uma perda de capacidade de armazenamento. Contudo, pode facilmente compensar a mudança ao usar o disco rígido que retirou numa caixa USB externa, utilizando-o como um disco portátil.

O acesso ao disco rígido costuma ser feito através de uma pequena tampa, habitualmente identificada com o desenho de um disco rígido, mas existem modelos que exigem a remoção total do painel traseiro – isto acaba por ser vantajoso, pois facilita a manutenção do mesmo, bem como a instalação de mais módulos de memória RAM.

Tal como nos computadores de secretária, é fundamental verificar o manual ou a página do fabricante para perceber que tipo de unidades SSD são compatíveis com o computador. Em último caso, pode simplesmente colocar mãos à obra, desligando o computador da corrente, removendo a bateria e abrindo o painel inferior, verificando o tipo de ligações disponíveis, se só tem acesso a uma ligação SATA, ou se já dispõe de um encaixe M.2 mSATA ou NVMe. A diferenciação dos encaixes é idêntica à utilizada nos computadores de secretária.

SSD M2 SATA

Qual é o SSD ideal?
Depois de saber o tipo de SSD mais indicado para o seu PC, qual é que deve comprar? Bem, tudo depende das limitações existentes. Se só conseguir instalar um SSD SATA de 2,5 polegadas, terá à sua disposição inúmeros modelos, todos eles com preços que variam entre os vinte e os setecentos euros, valores esses que variam, essencialmente, devido à capacidade e tipo de chip de memória flash NAND utilizada. A nossa recomendação é que nunca opte por um modelo inferior a 480 GB, não só porque a diferença de preço não justifica adquirir um SSD de capacidade inferior, mas também porque um SSD com menor capacidade tem uma velocidade de escrita limitada. Um SSD SATA de 60 GB tem à volta de 100 MB/s de velocidade de escrita e um de 120 GB pode chegar os 300 MB/s; em comparação, um SSD de 480 GB atinge os 420 MB/s.

Relativamente às unidades M.2 SATA, poderá optar por qualquer modelo disponível no mercado, desde que tenha uma capacidade superior a 480 GB. Como exemplo, um WD Blue M.2 SATA de 250GB ronda os 39 euros, estando o modelo de 500 GB a 59 euros; estes vinte euros de diferença são facilmente justificáveis pelo aumento da capacidade para o dobro.

Quanto aos módulos SSD NVMe, a escolha deverá recair sobre tipo de interface compatível com o seu PC. Se utilizar uma interface PCIe 3.0, está limitado a uma velocidade que ronda os 3500 MB/s, pelo que deverá optar por um modelo rápido. Exemplos disso são os Kingston KC2500 ou A2000, Crucial P5, TeamGroup T-Force Cardea Zero Z340 ou qualquer modelo da série 970 da Samsung.

Se a sua motherboard já tiver PCIe 4.0, pode continuar a usar os mais acessíveis SSD PCIe 3.0 ou optar por um dos velozes SSD PCIe 4.0, como o Gigabyte Aorus Gen4, o TeamGroup T-Force Cardea Zero Z440, o Corsair MP600, o WD Black SN850 ou o novo Samsung 980 Pro.

SSD M2 NVMe

Solução híbrida
Caso tenha um computador portátil que apenas possa utilizar unidades de 2,5 polegadas, e tiver receio de perder a capacidade de armazenamento de um disco rígido tradicional, pode optar por uma das soluções híbridas existentes no mercado, como o Seagate FireCuda de 1 ou 2 TB com 8 GB de memória flash NAND, que permite aceder aos dados de forma mais rápida. Este disco tem ainda a vantagem de ser bastante acessível.