Como os hábitos online mudaram nos últimos 12 meses

©Chris Montgomery
©Chris Montgomery

No final de 2019 surgiam as primeiras notícias sobre um vírus da família coronavírus, na China. Muito pouco tempo depois, pessoas como nós, aprendemos um novo nome: SARS-CoV-2. Mas esta não era a única palavra a enriquecer o nosso léxico. O vírus SARS-CoV-2  dava origem, nos humanos, ao Covid-19, a doença que iria colapsar sistemas de saúde pelo mundo fora.

O confinamento foi imposto em nome de um bem maior. E , todos nós, começámos a viver através dos ecrãs de televisão, smartphones, tablets ou monitores de computadores. A ligação com o mundo para nos divertirmos no casino-frank.pt – bem como o trabalho e a escola – dependiam destes aparelhos.

De acordo com relatórios económicos, o comércio de computadores, durante este último ano, teve uma procura extraordinária, tal como a online gratis roleta. Isto leva a perguntarmo-nos quais as consequências que o confinamento trouxe para a saúde dos nossos olhos.

Impacto dos ecrãs e confinamento na saúde dos nossos olhos

De acordo com a opinião dos oftalmologistas, determinadas directrizes sanitárias podem ter um impacto efetivo na saúde ocular. Por exemplo, a exposição regular e prolongada aos ecrãs pode provocar algumas consequências temporárias.

Mas o facto das atividades ao ar livre terem sido suspensas, pode levar a que haja um aumento de casos de miopia entre as crianças e jovens. Isto porque, por norma, os olhos têm necessidade de estarem expostos aos raios ultravioleta do sol para se desenvolverem com normalidade até os jovens atingirem os 21 anos de idade.

Se os olhos não forem expostos a esse factor, terão a tendência para dilatarem em demasia, resultando em miopia. Os efeitos a longo prazo desta perturbação da visão pode traduzir-se em descolamento da retina e uma maior incidência de glaucoma.

Daí a preocupação dos oftalmologistas com o ensino à distância para crianças e jovens. É importante que pessoas dentro destas faixas etárias saiam para o exterior e passem pelo menos duas horas por dia ao ar livre.

O sistema ocular também se recente aquando sujeito à exposição prolongada a ecrãs em teletrabalho ou ensino à distância, mas apenas temporariamente. Nenhum efeito a longo prazo se irá verificar, apenas desconforto. Isto porque quando estamos focados num ecrã, os nossos olhos piscam até 50% menos vezes. E isso afecta a sua hidratação. As lágrimas na superfície do olho terão tendência a secar e criar comichão. Uma irritação.

Para combater esse tipo de sensação sugere-se o uso de lágrimas artificiais. Compram-se na farmácia e podem aplicar-se várias vezes ao dia, sempre que sentir desconforto na vista. Se as aplicar regularmente pode mesmo evitar essa reação. Outra solução é aplicar compressas húmidas quentes encima das palpebras, sem queimar. Assim, ativará as glândulas nas pálpebras, estimulando a lubrificação dos olhos.

Há muitas outras coisas que podem causar tensão ocular, tais como postura, brilho e distância do ecrã. A luz do ecrã deverá ter quase a mesma intensidade da luz da sala e os seus olhos devem manter-se a uma distância de 50 cm do monitor. Assim não estarão em esforço para se adaptarem ao que se expõem. Faça pausas regulares e, se se lembrar, deverá olhar para 20 metros de distância, durante 20 segundos em cada 20 minutos passados no monitor.