RGPD: afinal de contas o que significa?

Além do consentimento informado, o RGPD inclui ainda vários direitos, entre os quais, que os nossos dados sejam apagados.
Photo by Christian Lue on Unsplash

Em conversas com algumas pessoas reparei que ainda existe muita confusão sobre sobre o que é o RGPD e o que significa cumprir com o mesmo. Vamos então tentar clarificar este assunto.

O regulamento europeu sobre a protecção de dados, mais conhecido por RGPD, é baseado no conceito já existente do consentimento informado e que assenta em três definições importantes:

  • O consentimento deve ser livre, isto é, não pode existir coerção, intimidação ou qualquer outra forma de pressão. Como tal, temos o direito de nos opormos;
  • O consentimento deve ser informado, isto é, os dados pessoais apenas podem ser recolhidos e tratados para um fim bem definido. As empresas devem informar qual a finalidade para a qual os nossos dados serão utilizados, devem ainda garantir que só pedem os dados estritamente necessários e que não os mantêm mais tempo que o necessário;
  • O consentimento deve ser explícito, isto é, frases como ‘caso concorde com esta alteração, não necessita fazer nada’ e semelhantes valem “zero”, porque temos sempre de dar, ou não, o nosso consentimento ou não.

Além do consentimento informado, o RGPD inclui ainda o direito a acedermos aos nossos dados, o direito a corrigir os mesmos, o direito a pedir para que os nossos dados sejam apagados, o direito a contestar decisões automáticas de gestão dos nossos dados e ainda o direito a que os nossos dados sejam transferidos entre entidades, sempre que o exigirmos.

Para saber mais sobre as normas do RGPD, podem consultar mais nestes links: bit.ly/2vYr3CF e bit.ly/2MZY3B4.