Oráculo

A verdade é que o mundo é, hoje, tão ou mais perigoso que no período da primeira Guerra-Fria.
Kon Karampelas/Unsplash

Tal como em Delfos, na Grécia antiga, também na Casa Branca, ao dia de hoje, as decisões devem ser tomadas, não na Sala Oval, mas numa qualquer área subterrânea de onde certamente também, nestes últimos anos, deverá haver uma serpente já em decomposição que emite gases intoxicantes. É uma trampa mas, é o mundo em 2020 em véspera de eleições presidenciais norte-americanas, no meio de uma pandemia mundial e de um novo tipo de guerra-fria comercial.

O presidente Trump emitiu uma Ordem Executiva para impedir que as apps WeChat e TikTok possam estar no Google Play ou na App Store. Isto é naturalmente válido apenas para o território norte-americano mas, no caso do WeChat implica de imediato também uma imposição de exclusão da possibilidade de alojamento e de entrega de conteúdo ao utilizador pelo que, ali e de imediato a app deixará de estar funcional.

Já o TikTok terá até 12 de Novembro para ver se a Oracle e a ByteDance – ou seja EUA e China – se entendem quanto à forma como será gerida a operação comercial da app nos EUA. A administração norte-americana entende que as aplicações são uma janela para o Partido Comunista Chinês saber da localização, preferências e gostos dos norte-americanos e quer que a app seja, não só gerida pela Oracle, nos EUA, mas detida na sua totalidade.

Assim de repente, a 20 de Outubro, cem milhões de americanos estarão(iam) privados de comunicar via WeChat e de aceder a updates do TikTok. Há muito que me deixei de fazer de oráculo sobre a tecnologia e não me iria pôr a jeito quando esta se mistura com a geopolítica e eleições numa superpotência.

A verdade é que o mundo é, hoje, tão ou mais perigoso que no período da primeira Guerra-Fria. A razão não estará nem mais a Oeste que a Leste, porque está cada vez mais cinzenta e, quanto, a isso não há Oracle ou Oráculo que nos safe.

Se tiver acesso à Netflix aproveite e veja o documentário O Dilema das Redes Sociais. Sairá mais elucidado – e mais assustado – que destas linhas.