Hackathon Douro & Porto: há dez novos projectos tecnológicos que se podem aplicar às vinhas

Em breve, as vinhas da Região Demarcada do Douro, Porto e Vila Nova de Gaia vão ficar mais tecnológicas.
©Tina Witherspoon
©Tina Witherspoon

O Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto (IVDP) revelou esta semana os dez projectos da primeira edição do Hackathon Douro & Porto, uma «maratona colaborativa» cujo objectivo foi dar resposta a outros tantos desafios propostos pelos «principais stakeholders da Região Demarcada do Douro (RDD), Porto e Vila Nova de Gaia».

Na sessão, que foi transmitida online no Facebook do IVDP, os desafios foram abordados um a um, com a apresentação da resposta para cada um deles pelas dez equipas compostas por 46 investigadores.

Para resolver o problema de uma Rede de Comunicação nas vinhas, a solução proposta foi a de colocar «sensores de terreno»; já para a Monitorização do Território, a ideia é criar um «website que apresente os dados georreferenciados obtidos a partir de redes sociais».

Em relação à Sensibilização Para a Sustentabilidade, foi apresentado um «kit educacional, portátil e modular, com materiais de baixo custo»; na Mecanização na Vinha, o resultado foi um «relatório com conceptualização e requisitos de um sistema de veículos aéreos não tripulados capaz de assistir no transporte das uvas».

A questão da Transferência de Conhecimento Intergeracional foi respondida com um «protótipo funcional de realidade virtual que ensine a a fazer a poda»; a proposta para a Potencialização do Enoturismo foi um «plano de comunicação de rotas de enoturismo na RDD».

Para alertar para a Consciencialização das Alterações Ambientais, as equipas sugeriram «produzir uma experiência áudio imersiva sobre as mudanças ambientais que ocorrem nas vinhas»; um «protótipo de embalagem ou contentor a partir de bio-resíduos que reduzam o impacto ambiental no ciclo de vida do vinho» foi a resposta para o desafio de ter uma Comunicação Sustentável do Vinho.

Finalmente, para a Inovação no Marketing e Comunicação, este hackathon mostrou um «protótipo de realidade aumentada para rótulos de garrafas capaz de apresentar informações relevantes sobre o vinho aos consumidores»; o décimo, e último, desafio sobre a Personalização da Experiência do Consumidor teve como resposta um «protótipo de serviço de recomendação de música de acordo com o vinho escolhido a fim de proporcionar uma experiência multissensorial ao consumidor»

Segundo Gilberto Igrejas, presidente do IVDP, o Hackathon Douro & Porto serviu para «gerar inovação, promover o recrutamento e captação de talento» sendo que os projectos apresentados vão ajudar a um «aumento da rentabilidade do investimento em transformação digital».

Os projectos vão estar explicados com detalhe, em breve, no site do Hackathon Douro & Porto.