Samsung Galaxy Note20 Ultra

Conseguirá o novo Galaxy Note20 Ultra manter o estatuto dos seus antecessores, que durante anos foram considerados os smartphones mais completos do mercado?

Já lhe demos a conhecer as primeiras impressões do novo Samsung Galaxy Note20 Ultra, mas só agora conseguimos testar por completo o novo terminal topo de gama, através de uma utilização quotidiana, que nos permitiu comprovar se algumas das escolhas da Samsung para este importante terminal foram as mais correctas.

Em termos de design, este Note20 Ultra continua a usar a mesma orientação, os mesmos tipos de materiais e o mesmo formato, embora seja utilizado o novo Gorilla Glass Victus da Corning, que torna o excepcional ecrã Dynamic AMOLED de 6,9 polegadas no mais resistente de sempre.
Este ecrã, como é apanágio nos equipamentos da Samsung, continua a ser fenomenal em termos de qualidade de imagem, de resolução (QHD) e de brilho, tendo inclusive suporte para uma taxa de actualização de 120 Hz, embora esta apenas esteja disponível quando usada a resolução FDH+. Face ao S20 Ultra, este ecrã tem cantos de formato mais rectilíneo, e face ao Note10 dispõe de uma nova organização, com a caneta digital S Pen e o altifalante inferior a estarem colocados à esquerda, devido à elevada dimensão do módulo das câmaras.

Câmaras evoluídas
Este módulo, similar ao utilizado pelo Galaxy S20 Ultra, parece ter sofrido um downgrade, se apenas tivermos em conta as características técnicas, mas a situação é exactamente a inversa. O poderoso ISOCELL HM1 de 108 MP continua a ser o sensor principal do Note20 Ultra, com a vantagem de agora recorrer a um assistente laser para garantir maior velocidade e precisão na focagem de objectos mais próximos, a situação que mais críticas a Samsung recebeu relativamente às câmaras do Galaxy S20 Ultra.

Relativamente aos restantes sensores, continua presente o sensor de 12 MP para a câmara de ultra grande-angular, e o sensor da câmara de telefoto recebe um novo modelo de 12 MP, mantendo o sistema periscópico. Esta solução, embora tenha visto a resolução descer, bem como o valor máximo de zoom digital, de 100 para 50x, acaba por captar imagens de qualidade superior, graças à maior dimensão dos foto díodos (1.0µm), e pela maior abertura da objectiva (f/3.0).

Relativamente ao vídeo, as características são as mesmas, como a possibilidade de se captar vídeo a 8k a 24 fotogramas por segundo, 4K a 60 fps, 1080p até 240 fps e 720p até 960 fps, suportando inclusive captura de vídeo em HDR 10+, com estabilização de imagem e, graças ao novo modo de Vídeo Pro, a possibilidade de ajustar todos os parâmetros da imagem e da orientação dos microfones disponíveis, três internos e os externos (via USB e Bluetooth) que quiser usar.

Sabor agridoce
Se até aqui o Galaxy Note20 Ultra soube manter a tradição em ser o melhor e mais completo smartphone do mercado, eis que chegamos ao seu calcanhar de Aquiles, o SoC. Como tem vindo a ser habitual, a Samsung mantém a tradição de usar o seu Exynos para o mercado Europeu, algo que no caso do Galaxy S20 não foi tão grave, mas se tivermos em conta que nos mercados que utilizam o SoC da Qualcomm, como os EUA, China e Coreia do Sul, a Samsung desta vez decidiu usar o novo Snapdragon 865+, aumentando assim a diferença de desempenho e eficiência energética face aos modelos que mantiveram o Exynos 990. Observando os resultados obtidos nos nossos testes, facilmente verificamos que, embora os valores sejam superiores aos registados pelo Galaxy S20 Ultra, estes continuem aquém do esperado nos testes gráficos.

A nível de autonomia, a bateria de 4500 mAh garantiu quase catorze horas de autonomia, mas só quando usado o ecrã a 60 Hz, uma vez que aumentando a taxa de refrescamento fez com que a bateria perdesse quatro horas de autonomia. Tudo isto faz com que o novo Galaxy Note perca o título de melhor smartphone do mercado, como aconteceu no lançamento do Note10+, mas a S Pen e todas as funcionalidades diferenciadoras permitiram manter o título de smartphone mais completo do mercado.


Distribuidor: Samsung

Site: samsung.com/pt

Preço: €1339,90


Benchmarks

  • 3D Mark Ice Storm Unlimited: 73 425
  • Antutu Benchmark: 540 905
  • PCMark Work 2.0: 12 301
  • PCMark Work 2.0 Battery : 835 minutos

Ficha Técnica

Processador: Exynos 990 (2 x 2,73 GHz + 2 x 2,5 GHz + 4 x 2,0 GHz)
Memória: 12 GB
Armazenamento: 256 GB (expansível por MicroSD)
Câmaras: 108 MP f/1.8 + 12 MP f/2.2 + 12 MP f/3.0 (traseira); 10 MP f/2.2 (frontal)
Ecrã: 6,9” Dynamic AMOLED 2X 120 Hz (3088 x 1440) 496 ppi
Bateria: 4500 mAh
Dimensões: 164,8 x 77,2 x 8,1 mm
Peso: 208 gr