Tem um diploma? Os empregadores preferem ver estas competências

Foto por Tyler Franta em Unsplash

Com a época de licenciaturas a decorrer, a turma de 2020 está ansiosamente à espera de todos os papéis importantes que os libertam oficialmente para o mundo do trabalho. Recém-licenciados muitas vezes acreditam que um diploma é o seu bilhete para o emprego e, nalguns casos, têm razão, mas regra geral, os empregadores concentram-se mais em competências laborais do que diplomas.

Um estudo do ZipRecruiter descobriu que apenas 21% dos empregos anunciados neste website pedem especificamente que os candidatos tenham um diploma universitário. Houve descobertas semelhantes com a pesquisa feita pelo Cvmaker, um website que cria cvs com amostras de cvs (veja exemplos de currículos gratuitos em seu site). Isto está de acordo com a estimativa que 21% dos trabalhos nos EUA pedem um diploma universitário, apesar de 37% preferirem uma educação pós-secundária. Enquanto que o ZipRecruiter postulou que ter um diploma pode ser assumido para empregos de nível mais elevado, parece que através do quadro, experiência no campo e competências pertinentes e formação batem um diploma ou um bom mestrado.

Até os próprios licenciados perceberam que competências são muito mais valiosas para as suas carreiras do que os seus diplomas. Numa sondagem de 2014, quase três quartos dos funcionários disseram que os seus empregadores valorizam mais a experiência de trabalho e competências a ela relacionadas do que a educação quando estão a avaliar candidatos de trabalho, com 53% a dizer que um curso superior já não é necessário para assegurar um emprego de alta remuneração.

Não há dúvida que uma educação superior ainda conta para o sucesso de uma carreira, uma vez que 82% dos correspondentes da Glassdoor disseram que os seus diplomas universitários ajudaram no local de trabalho. Contudo, as pessoas que estão à procura de trabalho precisam de perceber que há mais em arranjar um trabalho e progredir nas suas carreiras do que ter um diploma.

“Para qualquer funcionário que quer receber um salário maior ou subir na escada corporativa, devem fazer a sua pesquisa sobre como é que a sua área está a evoluir, incluindo identificar conjuntos de competências específicos que são procurados,” Rusty Rueff, especialista de carreira e do local de trabalho da Glassdoor, “voltar à escola pode ser a forma de aprender e melhorar mas também há vias não-tradicionais, tais como programas certificados, campos de trabalho, webinars, cursos sem diploma online, conferências e mais.”

Então que competências específicas é que os empregadores de hoje em dia querem ver nos candidatos ao emprego? De acordo com a análise do ZipRecruiter de 250,000 dos seus anúncios de empregos, as seguintes seis qualificações aparecem com mais frequência:

  • Comunicação (51%)
  • Gestão de tempo (21%)
  • Capacidade de trabalhar bem em equipa (19%)
  • Motivação independente (12%)
  • Experiência específica em Microsoft Office (11%)
  • Capacidade de trabalhar num ambiente de rápido ritmo (7%)

Uma vez que as competências de comunicação estão tão acima na lista de prioridades para muitos empregadores, faz sentido que todo o processo de arranjar um trabalho envolve comunicar bem, disse Allan Jones, diretor de marketing da ZipRecruiter.

“Quando estiver a escrever o seu currículo, certifique-se de que não tem erros gramaticais, que apenas contém a informação mais relevante e que conta a sua história enquanto pessoa que está à procura de trabalho para que enalteça os seus aspetos positivos de forma honesta,” Disse Jones ao Business News Daily.

Adicionalmente, Jones aconselhou a ter um plano preparado para o que pode fazer no primeiro dia do seu novo emprego para ajudar a empresa e explicá-lo durante a entrevista.

“Essa é uma excelente forma para mostrar as suas competências de comunicação e mostra que leva a sério o trabalho e a empresa,” disse Jones.

Que competências de comunicação são mais importantes?

Ser um bom comunicador não é só comunicar o seu ponto de vista. Também é, talvez ainda mais, ouvir bem. A especialista de procura de emprego, Alison Doyle, recomenda que pratique audição ativa, o que significa prestar muito atenção ao que a outra pessoa está a dizer, fazer perguntas para se certificar de que compreende o argumento e depois parafrasear os seus argumentos de volta para compreensão total.

Doyle também enfatiza a importância de comunicação não-verbal. Adote uma postura relaxada e aberta (sem os braços cruzados) e um tom amigável para transparecer interesse genuíno. Preste também atenção às deixas não-verbais que os seus colegas de equipa e gestores estão a demonstrar.

Na sua lista das melhores competências de comunicação, Doyle também inclui o seguinte:

  • Ser amistoso (um simples olá e perguntar como correu o fim-de-semana de um colega faz muito)
  • Confiança – faça contacto visual e evite sempre fazer uma afirmação soar como uma pergunta.
  • Mesmo que discorde de alguém, é importante tornar claro que compreende o seu ponto de vista. Audição ativa ajuda bastante na resolução de conflitos.
  • Dar e receber feedback positivo e negativo são componentes de sucesso cruciais.

Como melhorar competências de gestão de tempo

Com competências de gestão de tempo perto do topo da lista, parece crítico apurar essas capacidades. A Feminist Financier (uma blogger com tópicos de interesse para todos os géneros) oferece as seguintes sugestões:

  • Clarifique e registe as suas propriedades e não confunda urgente com crítico. Quando faz um esboço dos seus projetos e classifica-os de acordo com prioridade, aqueles que são mais urgentes podem não ser os mais críticos. Conflitos entre a importância e atenção ao tempo devem ser pesados cuidadosamente, ou pode gastar todos os seus esforços em projetos que precisam de ser concluídos imediatamente, mas que não têm muito peso.
  • Agende reuniões mais curtas e reduza o número de participantes. Enquanto o seu calendário pode marcar automaticamente por defeito uma reunião de 30 ou 60 minutos, altere-o se pensa que 15 ou 45 minutos é adequado. É melhor adicionar outra reunião do que preencher tempo apenas porque está agendado. E quanto mais pessoas forem convidadas, mais tempo vai demorar. Em vez disso, considere enviar um resumo aos convidados opcionais.
  • Faça o trabalho árduo quando for mais produtivo. O tempo é tudo. Se for uma pessoa madrugadora, agende o seu trabalho criativo para essa altura. Se tem uma vaga depois do meio-dia, agente algum tempo de sossego para si próprio. Use os seus períodos menos produtivos para tarefas mais simples e a sua produtividade geral vai subir, talvez dramaticamente, de acordo com a pesquisa citada pelo the Wall Street Journal.