Novo algoritmo da Toshiba pode permitir a computadores tradicionais serem mais rápidos que os quânticos

Supercomputador - Toshiba

Alguns dos problemas matemáticos mais complexos que têm de ser resolvidos no mundo empresarial necessitam que se tratem grandes quantidades de dados e que se encontre a melhor solução possível dado um determinado número de factores e requisitos, muitos dos quais podem ser desconhecidos. Durante anos a computação quântica tem sido mencionada como sendo o salto de desempenho mais promissora para resolver alguns desses problemas. No entanto, a Toshiba diz que a análise de alguns algoritmos tradicionais ajudou-a a cria um novo, que pode aproveitar melhor o hardware actual para obter resultados mais rápidos.

O anúncio feito esta semana pela empresa japonesa, indica que um o novo algoritmo, que tem estado em desenvolvimento há já alguns anos, é capaz de analisar dados de mercados muito mais rápida e eficientemente que os que são usados em alguns dos supercomputadores mais rápidos do mundo.

Este algoritmo, denominado ‘Simulated Bifurcation Algorithm’, é supostamente capaz de ser utilizado para encontrar soluções precisas para problemas de optimização combinatória de larga escala. Em termos mais simples, consegue encontrar uma solução de entre muitas possíveis, em problemas particularmente complexos.

De acordo com o seu inventor, Hayato Goto, este algoritmo inspira-se na forma como os computadores quânticos conseguem procurar soluções de entre muitas possibilidades. O trabalho no algoritmo ‘SBA’ começou em 2015 e o autor apercebeu-se que adicionando novos inputs a um sistema complexo com 100000 variáveis facilita a sua solução em alguns segundos, com um custo de computação relativamente pequeno.

Essencialmente, isto quer dizer que o novo algoritmo da Toshiba pode ser utilizado em computadores tradicionais. Para dar uma ideia da importância deste desenvolvimento, a Toshiba demonstrou no ano passado que o ‘SBA’ consegue encontrar soluções muito precisas para um problema de optimização com 2000 variáveis em 50 microssegundos, ou seja 10 vezes mais depressa que um computador quântico a laser. 

O ‘SBA’ também é escalável, podendo ser utilizado com conjuntos de CPU ou FPGA, graças às contribuições feitas por Kosuke Tatsumura, um outro cientista da Toshiba especializado em semicondutores.

Empresas como a Microsoft, Google, IBM, entre outras, estão actualmente numa corrida para o desenvolvimento de um sistema quântico que seja viável comercialmente, mas, até agora, só têm conseguido resultados limitados e apenas em laboratório.

Ao mesmo tempo, cientistas como Goto e Kosuke tentam encontrar formas para melhorar os algoritmos clássicos. A Toshiba espera utilizar o ‘SBA’ para optimizar operações financeiras como compra e venda de moeda ou ajustamentos rápidos de portfolios de acções, mas também pode ser utilizado para calcular rotas mais eficientes para serviços de entregas e no desenvolvimento de novas moléculas para medicamentos.