MobilidadeReviews

Samsung Galaxy Note 10+

Desde o lançamento do modelo original, em 2011, que a série Note tem sido uma referência no mercado, ao reunir as melhores soluções em termos de desempenho e funcionalidades, ano após ano. Terá o novo Note 10 mantido essa tradição?

Classificação

Medições8
Experiência de Utilização10
Preço8

Gostámos

  • Elevado desempenho
  • Novas funcionalidades da S Pen

A rever

  • Ausência do jack 3.5 mm

Ponto final

8.7Embora esperássemos mais novidades, o Galaxy Note 10+ continua a ser o smartphone mais completo do mercado, com elevado desempenho, novas funcionalidades diferenciadoras e uma enorme autonomia. Só é pena a falta do jack 3,5 mm e elevado preço.

Disponível em duas versões distintas, é o Note 10+ aquele que maior interesse nos despertou, por ser o modelo mais completo em termos de funcionalidades. Mantendo-se fiel às linhas dos seus antecessores, este novo modelo destaca-se pela disposição dos sensores traseiros numa posição vertical no lado esquerdo, perdendo a anterior identidade dos sensores colocados numa posição central e horizontal.

Mas se aqui podemos falar em ‘perda de identidade’, o mesmo não podemos falar do novo acabamento Aura Glow prateado que reflecte várias cores, dependendo da incidência da luz na superfície. Igualmente diferenciador é a eliminação da ficha jack de 3,5 mm (um erro, tendo em conta o público alvo), bem como do tradicional botão de power, passando agora a existir apenas um botão multifunções junto do botão de volume no lado esquerdo do equipamento. Esse botão permite ligar o dispositivo e, quando premido durante algum tempo, activar a Bixby, a assistente pessoal da Samsung, embora seja possível programar o botão para outras funções, como abrir a câmara ou uma aplicação específica.

À frente o destaque vai para o novo ecrã Infinity-O de 6,8 polegadas, que inclui um só sensor de imagem frontal dentro do ecrã, numa posição central, evitando interferir na imagem (e na interface) como aconteceu no Galaxy S10+. Este ecrã, de tecnologia Dynamic AMOLED de resolução muito elevada (3040 x 1440) garante aquela que é, de momento, a melhor qualidade de imagem num ecrã de smartphone, pecando apenas pela falta de suporte de taxas de actualização superiores a 60 Hz.

Poucas novidades?
Embora tenha sido habitual que cada novo Galaxy Note recorra às soluções apresentadas anteriormente pelo Galaxy S, este ano houve algumas diferenças que, embora pouco significativas, podem fazer a diferença.

Para começar, temos o novo processador, o Exynos 9825, que é na realidade uma versão do já conhecido 9820 usado no Galaxy S10, mas que graças à alteração do processo de fabrico para 7 nm, receber algumas optimizações, bem como um ligeiro aumento da velocidade da controladora gráfica integrada (Mali-G76 MP12), garantindo assim os melhores resultados de sempre nos nossos testes. Certamente que os 12 GB de memória RAM e os 256 GB (existe versão de 512 GB) de armazenamento do tipo UFS 3.0 contribuíram igualmente para estes excelentes resultados.

Em termos de imagem, as câmaras deste Note 10+ não diferem daquilo que já conhecíamos do Galaxy S10+. Temos um sensor de 12 MP com abertura focal variável f/1.5 e f/2.4, sensor telephoto (zoom 2x) de 12 MP com abertura f/2.1 e sensor de grande angular de 16 MP com abertura f/2.2. A este sensores, a Samsung adicionou uma câmara ToF (Time of Flight), designada ‘Câmara de Profundidade 3D’, fundamental não só para uma melhor medição da profundidade para os modos Live View (que estão agora disponíveis também no vídeo), como para a medição de objectos em 3D e outras funcionalidades. Estes, em conjunto com a função Microfone Zoom, que permite ajustar a captação de áudio de acordo com o zoom aplicado na captação do vídeo, bem como a melhoria na estabilização da imagem e no sistema de reconhecimento de cena, permitiram tornar o Note 10+ na melhor experiência de imagem do mercado, só pecando pela falta de versatilidade, em termos de zoom, face aos seus rivais, o Huawei P30 Pro e o futuro Mate 30 Pro.

Funções únicas
O que sempre diferenciou a série Note dos demais foi a S Pen, uma caneta digital que oferece agora maior autonomia (até dez horas), e novas funções, como a possibilidade de a usar como um controlo remoto, permitindo, através de um clique e gestos (graças ao acelerómetro integrado), navegar numa apresentação, reproduzir ou pausar vídeos, bem como controlar a câmara, permitindo alternar entre a câmara frontal e a traseira, entre os modos da câmara e o zoom.

Igualmente diferenciadora é a bateria deste equipamento, não tanto pela capacidade, embora utilize agora 4300 mAh, mas sim pela compatibilidade com carregamento rápido de 25 W com o carregador de origem fornecido, ou 45 W (apenas no Note 10+) caso utilize o carregador opcional, embora esta opção deva ser evitada, para garantir maior durabilidade da capacidade de carga da bateria.


Distribuidor: Samsung

Site: samsung.com/pt

Preço: €1129,99


Benchmarks:

  • 3D Mark Ice Storm Unlimited – 57 569
  • Antutu Benchmark – 350 727
  • PCMark Work 2.0 – 9687
  • PCMark Work 2.0 Battery – 878 minutos

Ficha Técnica

Processador: Exynos 9825 (2 x 2,73 GHz Mongoose M4 + 2 x 2,4 GHz Cortex-A75 + 4 x 1,9 GHz Cortex-A55)
Memória: 12 GB
Armazenamento: 256 GB (expansível com Cartão MicroSD)
Câmaras: 12 MP f/1.5 – 2.4 + 12 MP f/2.1 + 16 MP f/2.2 + DepthVision Camera f/1.4 (traseiro); 10 MP f/2.2 (frontal)
Ecrã: 6,8” Dynamic AMOLED (3040 x 1440), 498 ppi
Bateria: 4300 mAh
Dimensões: 162,3 x 77,2 x 7,9 mm
Peso: 196 gr


PCGuia
Este site utiliza cookies. Ao continuar a utilizá-lo estará a aceitar a nossa política de privacidade e os nossos Termos de utilização. Mais informação acerca da forma como utilizamos cookies está disponível aqui.
×