GadgetsReviews

Roomba i7+. O robô aspirador (quase) perfeito

iRobot

O novo robô da iRobot aspira a casa e despeja-se sozinho. Já está na hora de deixar de usar o aspirador normal? Vamos ver.

Classificação

Experiência de utilização8.5
Preço/qualidade8

Gostámos

  • Despeja-se sozinho
  • Mapa
  • Aplicação

A rever

  • Preço
  • O acesso aos cantos também tem de ser melhorado

Ponto final

8.3O Roomba i7 é uma evolução significativa em relação aos robôs da geração anterior. O software foi muitíssimo melhorado, o que lhe deu mais autonomia. Ficou a faltar alguns melhoramentos na aspiração, mas essencialmente faz o que diz na caixa. O preço é um pouco puxado.

De 1962 a 1987 a série animada The Jetsons prometia um futuro em que o horário de trabalho se resumia a uma hora por dia, dois dias por semana e robôs faziam tudo em casa. Chegados a 2019 já existem robôs que aspiram mas não que ainda conseguem fazer tudo em casa como a robô Rosie, a empregada artificial da família Jetson.

A iRobot, a que lançou o primeiro dispositivo deste género em 2002, acaba de disponibilizar em Portugal a mais recente versão do Roomba, o i7+, um robô aspirador que além de limpar o chão, consegue despejar-se sozinho, graças a uma base que serve de depósito de lixo e carregador.

O Roomba i7 em si é muito semelhante ao Roomba 960 da geração anterior, a câmara que faz funcionar o sistema de mapeamento está montada no mesmo local na parte de cima, as dimensões são mais ou menos as mesmas apenas tem mais um centímetro de altura, o sensor de objectos é o mesmo e a escova rotativa também. Por baixo, os rolos de borracha que ajudam a apanhar o lixo também são iguais aos dos modelos anteriores. Como se costuma dizer: em equipa que ganha…

Novidades

Mas existem duas diferenças importantes em relação aos anteriores: a primeira é o facto do motor de aspiração ter sido mudado de dentro do depósito de lixo para dentro do próprio robô. Isto faz com que o depósito possa ser lavado, mas todavia não ganhou lá muito em espaço. A segunda diferença é o software, que está mais rápido e tem mais opções para libertar o robô das armadilhas, como espaços limitados, cabos espalhados ou quaisquer outras coisas que pode encontrar pelo chão enquanto limpa a casa.

A base de limpeza e carregamento, a que a iRobot chamou “Clean Base” é em si um aspirador que tem um saco que consegue guardar os detritos de cerca de 30 ciclos de limpeza. Quando o i7 tem o depósito cheio retorna à base, que aspira o lixo que estiver no depósito através de uma abertura que se encontra na parte de baixo do robô. Este processo demora apenas alguns segundos, mas o aspirador da base é tão forte que faz um barulho parecido com um reactor de um avião a descolar.

Roomba i7 _CleanBase
O esquema de funcionamento da Clean Base do Roomba i7+

O saco está colocado na parte de cima da coluna da base e pode ser removido e instalado facilmente através da tampa que está no topo da coluna.

Nas primeiras versões dos Roomba, a iRobot oferecia uns pequenos dispositivos chamados “paredes virtuais” que emitiam um feixe de infravermelhos que simulava a existência de uma parede para evitar que o robô fosse para uma zona que o utilizador não que queria que fosse. Embora o i7 ainda seja compatível com este sistema (a iRobot até inclui um destes dispositivos na caixa), o advento do sistema de mapeamento da casa tornou as “paredes virtuais” um pouco obsoletas, porque, depois do mapa da casa estar completo, o utilizador pode, através da app para smartphones e tablets, definir que espaços o robô vai limpar e quando.

O pequeno dispositivo que mencionei atrás, para além da parede virtual que pode criar, também pode servir para limitar o acesso do robô a uma área circular, por exemplo se tiver um comedouro ou bebedouro de um animal no chão, pode colocar lá perto do dispositivo para que o robô não vá de encontro a eles enquanto limpa.

Nos Roomba, a iRobot optou por usar um sistema de mapeamento que baseado numa câmara, que está apontada para o tecto, que tira várias fotografias à medida que o aspirador deambula pela casa de forma a encontrar pontos de referência. Estas fotos, em conjunto com os dados recolhidos pelos outros sensores do robô, servem para construir um mapa de todos os espaços da casa. O sistema de mapeamento da iRobot só tem um ponto fraco: a falta de luz. A câmara precisa de luz para conseguir tirar as fotografias, por isso, pelo menos até o mapa estar completo, convém que a casa esteja bem iluminada.

O mapa que Roomba i7 fez da minha casa.

Uma das coisas em que notei um grande avanço nesta nova geração de robôs Roomba foi na forma como o software consegue desenvencilhar o robô de situações em que os modelos das outras gerações ficariam logo presos e suspendiam o ciclo de limpeza. Como exemplo posso referir o caso da minha sala, em que existem umas grelhas no chão, junto às janelas, que fazem parte do aquecimento central. Infelizmente o espaço entre cada peça da grelha é uns milímetros maior que a largura das rodas do Roomba. Isto fazia com que o robô quase sempre ficasse preso quando tentava passar por cima da grelha. Agora, quando o i7 passa por cima da grelha e fica preso, o software faz com que as rodas rodem e subam e desçam independentemente, o que (quase sempre) consegue libertar o robô.

Quando a bateria fica quase vazia, o Roomba i7+ volta sozinho à base para carregar. O robô demora cerca de hora e meia para ficar com a bateria completamente cheia. Assim que termina o carregamento ele retoma a limpeza no sítio onde ficou sem bateria.

Limpeza

O i7+ é uma máquina que faz o que promete: aspirar o cotão, e migalhas e outros detritos que se vão acumulando no chão. Mas é igual a usar um aspirador tradicional? Não.

Os cantos são o “Calcanhar de Aquiles” dos Roomba. Sempre foram. Para conseguir apanhar o lixo que se pode acumular nos cantos, o robô tem de passar com a escova rotativa pelo canto, o que nem sempre acontece porque só existe uma.

Roomba i7 _Underside
A parte de baixo do Roomba i7. Na parte inferior esquerda está a pequena porta por onde o lixo é aspirado pela base.

Uma outra coisa que também é um pouco diferente neste modelo para os anteriores é que parece que perdeu o modo “Turbo” que punha o motor de aspiração a rodar mais depressa quando a situação assim o requeria, isto tem a vantagem de tornar o i7 mais silencioso que os anteriores, mas dificulta a recolha dos pelos de animais que ficam presos nos tapetes. Principalmente aqueles pelos fininhos dos gatos.


Contacto: irobot.com

Preço: Roomba i7+ (robô mais a base) €1199, Roomba i7 €899


 

PCGuia
Este site utiliza cookies. Ao continuar a utilizá-lo estará a aceitar a nossa política de privacidade e os nossos Termos de utilização. Mais informação acerca da forma como utilizamos cookies está disponível aqui.
×