Motoristas da AveiroBus usam sistema capaz de identificar o sono e fadiga precocemente

AveiroBus-Round-Trip-Primage

Os motoristas da AveiroBus, rede de transportes operada pela Transdev Portugal, estão a usar um sistema capaz de detectar precocemente sinais de sono e fadiga, alertando os mesmos para a necessidade de parar e descansar.

Denominado Round Trip Without Sleep, o projecto foi desenvolvido pela empresa portuguesa Optimizer, em parceria com o IPCA – Instituto Politécnico do Cávado e do Ave.

A partir da utilização de uma pulseira que monitoriza de forma contínua a temperatura corporal, o espaçamento dos batimentos cardíacos e a humidade da pele do condutor, o sistema identifica alterações nos padrões de vigília e emite um aviso.

O elemento diferenciador deste sistema é que «o aviso é feito antes mesmo de o condutor revelar sintomas, através da vibração da própria pulseira e da emissão de um sinal de alerta para um dispositivo móvel, acautelando para a iminência de um estado futuro de vigília insuficiente».

«O sono e a fadiga dos condutores têm como consequências fisiológicas o deficit de atenção, reacções mais lentas e uma menor capacidade de decidir correctamente. Se pensarmos que, a uma velocidade de 120 Km/h, um micro sono de apenas 3 segundos implica percorrer uma distância de 100 metros, a possibilidade de prever a aparição destes sintomas pode revelar-se fundamental para evitar acidentes», refere Jorge Machado, gestor de qualidade, ambiente e segurança da Transdev.

O mesmo responsável assegura que «a adopção deste sistema não só garante uma maior segurança rodoviária, como permite ainda melhorar o planeamento das viagens dos motoristas e diminuir custos», adiantando que, «nos próximos dias, além dos motoristas da rede AveiroBus, vamos também contar com a aplicação do mesmo sistema em alguns serviços em linhas de longo curso a nível nacional».

Refira-se que, de acordo com dados do Observatório da Prevenção Rodoviária, a fadiga dos condutores está na origem de cerca de 20% dos acidentes em Portugal.

Já a Associação Portuguesa das Sociedades Concessionárias de Autoestradas ou Pontes com Portagens (APCAP) reporta que, em 2015, a sonolência foi a causa de 7% dos acidentes registados nas autoestradas portuguesas.

Via Transdev Portugal, AveiroBus, Optimizer, IPCA.