Descomplicómetro – Baterias de iões de lítio

Estas baterias são um dos componentes do qual mais dependemos: é por causa delas que podemos usar todo o tipo de dispositivos sem que estes precisem de estar ligados...

Estas baterias são um dos componentes do qual mais dependemos: é por causa delas que podemos usar todo o tipo de dispositivos sem que estes precisem de estar ligados à corrente.

Desenvolvidas por Alessandro Volta, em 1799, as baterias assumiram um papel fundamental nos dias que correm, por serem o componente responsável pela alimentação de dispositivos móveis como computadores, relógios e até automóveis. O princípio de funcionamento é bastante simples, pois tal como as pilhas, é usado um ânodo que gera uma reacção química de oxidação, que irá gerar um fluxo de electrões para o cátodo, que por sua vez gera uma reacção de redução.

Em termos de baterias simples, actualmente utiliza-se a tecnologia de Níquel-Hidreto Metálico (NiMH), onde o ânodo é composto por uma liga metálica com hidrogénio absorvido. Aqui é gerado um hidreto metálico, que por sua vez permite uma reacção química mais eficaz, razão pela qual oferece até três vezes mais capacidade face às antigas pilhas NiCd (Níquel-Cadmium) recarregáveis.

Iões de lítio

As baterias de iões de lítio são a evolução das baterias recarregáveis, sendo particularmente mais interessantes que as de NiHM pelo facto de permitirem o uso de voltagens mais elevadas. Isto acaba por oferecer uma maior densidade de capacidade e maior durabilidade, tanto de vida útil, como em termos de capacidade de carga (mantém a carga com um elevado número de carregamentos).
Estas vantagens permitem que as mesmas sejam usadas nos dispositivos mais exigentes do mercado: smartphones, tablets, computadores portáteis mais leves e finos, indústria militar, aviação, automóveis eléctricos e híbridos plug-in.

Estas, ao contrário das tradicionais pilhas, utilizam carbono para o ânodo (habitualmente grafite), um cátodo com Óxido de Lítio e Manganésio (LMO), Óxido de Cobalto e Lítio (LiCoO2) ou Fosfato de Ferro e Lítio (LiFePO4), estando os dois inseridos dentro de um electrólito, composto por um gel de carbonato de etileno ou carbonato de dimetil.
O processo de descarga de corrente ou de carga dá-se quando os iões de lítio mudam a sua movimentação, deslocando-se do ânodo para o cátodo, durante a descarga de corrente e o inverso, durante o seu carregamento.

Cuidados a ter

Apesar de serem muito eficazes, as baterias de iões de lítio são extremamente vulneráveis, visto serem facilmente corrompidas e inflamáveis, existindo o risco de explosão quando expostas a temperaturas muito elevadas ou a um funcionamento irregular. Já existiram situações em que as baterias de smartphones explodiram e em que as de veículos plug-in se incendiaram.
A própria Boeing, com o lançamento do novo 787-Dreamliner, teve problemas graves com cinco aeronaves: as baterias arderam, obrigando a FAA (Federação Aeronáutica Americana) a proibir o voo de Boeing 787 até que todos os problemas fossem resolvidos.

Categorias
Descomplicómetro

Editor da revista PCGuia, com mais de 10 anos no mercado de publicações tecnológicas. Grande adepto de tudo o que seja tecnológico, ficção científica e quatro rodas.
Assinaturas

ARTIGOS RELACIONADOS

Newsletter PCGuia
Subscreva a newsletter da PCGuia para ficar a par das últimas notícias, dicas e análises de hardware e software.
Subscrever
close-link