Microsoft actualiza Teams com Minecraft e novos apoios ao estudo em nome do «bem-estar» dos alunos

Para a Microsoft, o foco é o «bem-estar emocional» dos alunos, uma vez que a empresa considera que esta é a «chave para o sucesso».
©Microsoft
©Microsoft

O Teams, um programa de comunicação da Microsoft que acabou por se tornar muito popular durante o confinamento para as aulas online e o teletrabalho, acaba de se actualizado pela Microsoft.

As novas funcionalidades (todas gratuitas) são para alunos e professores, com componentes lúdicas e educativas – uma delas é a integração do jogo Minecraft (Education Edition), o que é visto pela Microsoft com uma forma de «aumentar a compreensão das matérias por parte dos alunos».

Entre as outras novidades estão as tarefas em grupo, a possibilidade de usar aplicações externas, o calendário e a actualização de Sistemas de Gestão de Aprendizagem; aqui, a Microsoft está a trabalhar com a Instructure e a Blackboard para «aprofundar e melhorar as integrações com o Microsoft Teams e OneDrive».

©Microsoft
©Microsoft | O Minecraft Education Edition passa a estar integrado no Teams.

Para a Microsoft, o foco é o «bem-estar emocional» dos alunos, uma vez que a empresa considera que esta é a «chave para o sucesso». Nesse sentido, a empresa disponibiliza ainda a app Reflect, uma forma de «professores realizarem check-ins regulares com alunos ou turmas», para perceberem melhor necessidades de cada um.

Teams passa a ter um Chat Supervisionado

Outra novidade são os crachás de elogios e stickers, uma forma de os professores recompensarem os alunos pela conclusão dos trabalhos ou desempenho nas aulas online.

Finalmente, e mais no âmbito da segurança, passa a haver o Chat Supervisionado no Teams a partir do fim de Maio: «Este recurso permitirá que educadores designados iniciem chats com os alunos, evitando que os mesmos iniciem novos chats, a menos que um educador apropriado esteja presente. Os alunos poderão, assim, participar em discussões seguras e monitoradas de forma adequada pelos funcionários da escola», explica a Microsoft.