Notícias

Espaços de Trabalho: Viagem guiada até à Geração Z.

Avila SpacesCarlos Goncalves-CEO do Avila Spaces

Steve Jobs tinha a perfeita noção que o espaço de trabalho era essencial para o bem-estar físico e emocional dos seus colaboradores. Dando corpo a uma das suas máximas – ‘todas as ideias novas não passam de combinações de elementos antigos’ – esteve envolvido até aos seus últimos dias na concepção da nova sede da Apple, que combina na perfeição vários modelos de espaços de trabalho, sendo o resultado das tendências verificadas nas gerações ao longo dos últimos 100 anos.

Veteranos (1920 – 1945)

Também conhecida como a “geração de sacrifícios”. O objectivo era aproveitar ao máximo o espaço, e limitar os movimentos para realização de tarefas. Os espaços de trabalho eram abertos e organizados em grandes corredores, segundo as tarefas dos colaboradores. O foco estava na produtividade e não tanto na motivação ou bem-estar. Os profissionais eram rígidos, dedicados e respeitadores de hierarquias. Por sua vez, os líderes assumiam um perfil autoritário.

Baby Boomers (1947 – 1964)

Surgem as primeiras preocupações com o conforto do espaço de trabalho, contudo estes ainda estavam aquém dos padrões de qualidade expectáveis. Há uma preocupação em conceber espaços para trabalho em equipa e reuniões presenciais. Esta geração define-se essencialmente pelos resultados profissionais alcançados. O trabalho vem em primeiro lugar e a realização profissional associa-se a empregos duradouros, não havendo, por isso, uma verdadeira aposta na inovação dos espaços de trabalho.

Geração X (1965 – 1979)

A Geração X veio ‘abrir caminho’ para as mais novas. Foi nesta altura que apareceram os primeiros espaços de trabalho amplos, semelhantes aos espaços colaborativos que existem actualmente. Conhecida também por geração Workaholic, os profissionais trabalhavam de forma isolada, nos famosos ‘cubículos’, em espaços menos hierarquizados e mais informais. No entanto, com a crise do petróleo de 1973, voltaram as salas individuais que concentravam os colaboradores e eram mais eficientes do ponto de vista energético.

Geração Y / Millennials (1980 – 1990)

Revolucionou o paradigma dos espaços de trabalho. Geração que privilegia a mobilidade e o trabalho em qualquer momento e lugar, favoreceu o aparecimento dos primeiros espaços de trabalho partilhados, coworking, escritórios virtuais e home-office. Trabalhando de forma isolada ou em equipa, aproveitando a tecnologia e as redes sociais, até os mais introvertidos transformam ideias em negócios milionários, como foi o caso de Zuckerberg, fundador do Facebook. A flexibilidade no espaço de trabalho, o “multitasking” e a autonomia são o caminho para o sucesso.

Geração Z (a partir de meados dos anos 90)

São os futuros profissionais. São líderes online, mas preferem colaboração presencial. Segundo a Forbes (2015) o Coworking está a dar lugar a Espaços Colaborativos com um grande foco na sociabilização, salas de formação, eventos e reuniões em ambientes lounge, para além de salas para foco e concentração dos profissionais. A multinacional Steelcase (2016) vem reforçar esta ideia quando refere a necessidade de se conceberem espaços de trabalho adequados tanto para extrovertidos como para introvertidos, dado que estes últimos representam 30% a 50% da força de trabalho.

Não sabemos como é que esta viagem irá continuar. Mas temos a certeza que os novos espaços de trabalho irão respeitar cada vez mais o bem-estar, o conforto e a produtividade dos profissionais, como preconizaram Steve Jobs e outros líderes visionários.

Carlos Gonçalves
CEO Avila Spaces

PCGuia
Este site utiliza cookies. Ao continuar a utilizá-lo estará a aceitar a nossa política de privacidade e os nossos Termos de utilização. Mais informação acerca da forma como utilizamos cookies está disponível aqui.
×