Microsoft nega colaboração com NSA e esclarece participação nos principais serviços

A Microsoft Corporation negou a colaboração com a NSA e anunciou que pediu o envolvimento pessoal do Procurador Geral dos Estados Unidos para poder partilhar com o público informação...
Microsoft New

A Microsoft Corporation negou a colaboração com a NSA e anunciou que pediu o envolvimento pessoal do Procurador Geral dos Estados Unidos para poder partilhar com o público informação mais detalhada sobre o modo como gere os pedidos de informação sobre clientes relacionados com a segurança nacional. Informação que os advogados do governo norte-americano estão a impedir a Microsoft de partilhar.

Enquanto aguarda por essa autorização, a Microsoft decidiu esclarecer algumas questões, em relação ao Outlook.com (anteriormente conhecido como Hotmail), ao SkyDrive, às chamadas Skype, ao email empresarial e ao armazenamento de documentos

A empresa afirma que não fornece não dá a nenhum governo acesso directo aos emails ou mensagens instantâneas dos utilizadores do serviço Outlook.com, mas que como todos os fornecedores de serviços de comunicações, por vezes é obrigada a aceder a alguns pedidos legais de governos para dar acesso aos conteúdos de contas específicas, na sequência de um mandado de busca ou ordem judicial. Isto acontece nos Estados Unidos e noutros países onde armazena dados. Este foi o mesmo esclarecimento dado pela Microsoft no que se refere ao SkyDrive, mas afirma que em 2013, fez algumas alterações nos processos para poder continuar a responder a um número crescente de pedidos legais dos governos de todo o mundo. Também as chamadas Skype de alguns utilizadores, podem ser acedidas pelos governos, desde que estes sigam os processos legais estabelecidos para pedirem informação específica sobre contas identificadas.

No que diz respeito aos emails empresariais e ao armazenamento de documentos, a Microsoft diz que se um governo pedir informação guardada por um cliente, é colocado em contacto direto com o cliente e este é avisado, a menos que haja impedimentos legais. A empresa avançou ainda que em 2012, apenas colaborou com quatro pedidos relacionados com clientes empresariais ou governos, não dando a nenhum governo a possibilidade de desencriptar a informação partilhada pelos clientes empresariais e os seus dados na cloud, nem as chaves de desencriptação.

A Microsoft está a aguardar aprovação para partilhar mais informação sobre a sua colaboração com os diversos governos. É possível ler a declaração na íntegra no blog oficial da empresa.

Categorias
NotíciasSegurança
Assinaturas

ARTIGOS RELACIONADOS

Newsletter PCGuia
Subscreva a newsletter da PCGuia para ficar a par das últimas notícias, dicas e análises de hardware e software.
Subscrever
close-link