Review – Corsair Carbide SPEC-ALPHA

Para se ter sucesso no exigente mercado de periféricos e componentes orientados para gamers, é fundamental o lançamento de produtos que sejam, acima de tudo, capazes de apelar à...

Para se ter sucesso no exigente mercado de periféricos e componentes orientados para gamers, é fundamental o lançamento de produtos que sejam, acima de tudo, capazes de apelar à emoção e não há razão, algo que a Corsair tem conseguido, com uma ou outra caixa, conseguido com bastante sucesso.

Recordo-me de ter ficado fascinado com a Vengeance C70, uma caixa à partida simples, mas com pormenores militares, como a cor verde garrafa mate, os puxadores no topo similares aos de uma caixa de munições, e os botões com tampa de protecção, como se estivéssemos prestes a disparar um míssil.

Mais recentemente experimentei a invulgar 380T (veja a review aqui), uma caixa que é, no mínimo, invulgar, com o seu formato que a assemelha a uma bomba núclear portátil, que deve ser desarmada dentro dos próximos 50 minutos por Jason Bourne. Ok, talvez esteja a ver filmes de acção a mais…

Voltando ao que interessa, queria com isto dizer que a Corsair não é um estreante no que toca ao lançamento de caixas invulgares, que apesar de algumas falhas, são suficientemente atraentes para nos apelarem à emoção, deixando de lado a razão, e a nova Spec-Alpha, da série Carbine, não é muito diferente, e já o irei explicar.

Visualmente temos uma caixa que parece ter sido desenhada pelo responsável de design de Quake III, com um formato cheio de ângulos, cores fortes como este misto de Preto, Branco e Vermelho (embora esteja disponível numa versão mais discreta em preto e cinza). O desenho invulgar e, de certa forma, vanguardista deixa-nos logo averiguar uma limitação, que na realidade é cada vez menos isso, a impossibilidade de instalação de uma unidade óptica. Na realidade, e tal como disse, isso hoje em dia é cada vez menos uma limitação, uma vez que os discos de CD ou DVD, tirando as consolas de jogos, já só servem para decorar as paredes dos quartos dos mais novos.

Porém, com a eliminação do sistema de suporte para as unidades ópticas, isso levou a que a caixa acabasse por ter uma largura algo reduzida, apenas 220mm, que embora seja o suficiente para poder instalar uma motherboard ATX no interior, e todas as placas gráficas que desejar, incluindo a monstruosa GeForce Titan X. Quando me refiro a limitações, refiro-me ao facto de, caso desejar instalar um radiador para o sistema de arrefecimento líquido de 240mm no interior da caixa (o de 120mm cabe na perfeição), só poderá usar o painel frontal, onde já vêm instaladas duas ventoinhas de 120mm, mas com a agravante de que terá que remover o suporte de encaixe existente para os discos rígidos, colocados na parte inferior frontal da caixa.

Esta solução poderá ser insignificante caso tenha o seu PC equipado com discos sólidos SSD de 2,5″, que poderão ser instalados na parte traseira da caixa, mas caso tenha ainda discos rígidos de 3,5″, como é o meu caso (e de muita gente), então encontramos aqui um problema. É certo que a Corsair previu essa situação ao colocar dois furos no painel traseiro para a passagem de tubagens para o exterior, mas essa solução só servirá caso esteja a montar um sistema por si mesmo, e não a adquirir uma solução completa já montada, como é o caso do Corsair Hydro H80i GT (poderá ver aqui a review).

Outra limitação encontrada, também relacionada com a falta de espaço, prende-se com a arrumação da cablagem, especialmente se não gostar, ou quiser aproveitar a sua (ainda) competente fonte de alimentação ATX. Neste caso, depois de ligar todos os componentes e lhe sobrar bastantes cabos soltos, a única solução que tem será tentar encafuar os cabos para trás da fonte, correndo o risco da outra tampa lateral não fechar.

Trata-se portanto, como já deu para perceber, uma caixa indicada para computadores mais simples e menos “recheados” de componentes, sendo perfeita para um sistema moderno, com fonte ATX modular e discos SSD. De resto é pena, pois o aspecto da caixa é brutal, especialmente tendo em conta que o painel lateral principal tem uma enorme janela em acrílico, que dá para vislumbrar o interior graças à força das luzes LED embutidas nas duas ventoinhas de 120mm frontais da caixa, que poderão ser controladas pelo simples, mas eficaz controlador de ventoinhas de três velocidades, colocado no painel frontal.

Categorias
ComponentesReviews

Editor da revista PCGuia, com mais de 10 anos no mercado de publicações tecnológicas. Grande adepto de tudo o que seja tecnológico, ficção científica e quatro rodas.
Sem comentários

Deixe um comentário

*

*

Publicidade

RELACIONADOS

  • Sony Xperia XZ Premium

    Review – Sony Xperia XZ Premium

    Com a chegada do Xperia XZ Premium, a Sony demonstra como é possível colocar as mais importantes inovações tecnológicas do momento. Mas ter-se-ão esquecido do design?...
  • Laiq Glam

    Review – Laiq Glam

    As novidades são o Glam e o Monaco, um exclusivo MEO (ou Altice, daqui para a frente). O Glam destaca-se pela construção metálica, uma melhoria face ao anterior Glow,...
  • LG Super UHD SJ850

    Review – LG Super UHD SJ850

    Em 2015, a Samsung lançou as suas televisões topo de gama com a designação SUHD, tendo a LG ripostado em 2016 com o lançamento das suas Super UHD, que...
  • HP Elitebook X360 1030 G2

    Review – HP Elitebook X360 1030 G2

    Este é, talvez, o terceiro ou o quarto computador híbrido da HP que passa aqui pela redacção. O Elitebook tem a particularidade de permitir que o ecrã seja rodado...

Insira o seu nome e endereço de e-mail para receber as newsletters da PCGuia